Atividades para combater o tabagismo

Ações educativas, abordagens e palestras em Passo Fundo

Por
· 4 min de leitura
HSVP: troca do cigarro por brindesHSVP: troca do cigarro por brindes
HSVP: troca do cigarro por brindes

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O combate ao tabagismo é ininterrupto e vem apresentando bons resultados, o que justifica a importância dessas campanhas ou ações isoladas. Nos últimos 10 anos, o número de fumantes adultos diminuiu 35% no país. As ações foram intensificadas no final de maio e início de junho, em propostas alusivas ao Dia Mundial Sem Tabaco, 31 de maio. Em Passo Fundo ocorreram abordagens aos fumantes, com distribuição de materiais informativos, palestras e outras propostas para combater o fumo. Os hospitais promoveram atos relacionados à data.

Saldo negativo

O tabaco, segundo dados do Ministério da Saúde, causa prejuízo de R$ 56,9 bilhões com despesas médicas no Brasil. Deste montante, R$ 39,4 bilhões são os custos médicos diretos e R$ 17,5 bilhões os custos indiretos, como a perda de produtividade, provocada por mortes prematuras ou por incapacitação de trabalhadores. A arrecadação total de impostos com a venda de cigarros no país em 2015 foi de R$ 12,9 bilhões. Isso representa um saldo negativo do tabagismo para o país de R$ 44 bilhões, numa subtração dos gastos da saúde em relação aos impostos arrecadados.

Ações internas e externas no Hospital da Cidade

O Hospital da Cidade de Passo Fundo realizou ações educativas com o objetivo de restringir o uso do tabaco nas áreas internas e externas da instituição. O tabaco é, hoje, a principal causa evitável de doenças não transmissíveis. De acordo com os dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) o consumo do tabaco mata mais de 7 milhões de pessoas todos os anos. As ações tiveram por objetivo as mudanças de hábitos e a conscientização de fumantes e não fumantes. A proposta esteve relacionada ao Dia Mundial sem Tabaco e resultou em diversas atividades no HC.

Programa

Uma das realizações foi a apresentação do Programa Hospital da Cidade “Quero Parar de Fumar”. A proposta, em nível interno, é destinada aos colaboradores fumantes que desejam parar de fumar. Através deste programa serão criados grupos de tratamento objetivando a cessação do tabagismo. A outra atividade foi uma proposta de discussão sobre o tema. Profissionais e acadêmicos da área da saúde participaram de um evento que debateu o panorama atual e os desafios no combate ao tabagismo. A mesa-redonda teve a presença de especialistas das áreas de pneumologia, odontologia, psicologia, saúde coletiva e oncologia para debater o tema. O evento foi realizado em parceria com a IMED.

Conscientização e alerta no São Vicente

No Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo, coube à Residência Multiprofissional Integrada em Saúde do Idoso e Atenção ao Câncer, promover uma ação de conscientização e alerta sobre os malefícios do tabaco. A atividade, realizada no serviço de radioterapia e nas portarias do hospital, envolveu funcionários, pacientes e público externo. “Nós separamos frutas e alguns brindes para realizar uma troca com os fumantes. Nós abordamos as pessoas, explicamos todos os malefícios e depois fazíamos a proposta de trocar a carteira de cigarros pelos brindes”, explicaram as profissionais da Enfermagem, Nutrição, Farmácia e Fisioterapia. Ao longo do dia, 20 carteiras de cigarro foram trocadas por brindes. “A troca do cigarro pelo brinde ou pela fruta já é o primeiro passo para que as pessoas busquem ajuda e parem de fumar. Vimos essas 20 trocas como algo bastante positivo, já que muitos outros não aceitaram fazê-la”. 

Fumantes

“Já tentei parar de fumar uma vez e não consegui. Sei de todos os malefícios e com este incentivo vou buscar novamente tentar largar o vício”, relatou Tercila Carminatti, 49 anos, fumante desde os 15 anos. Ela aceitou fazer a troca da carteira de cigarros pelo brinde. “Muito legal esta atividade, pois informa as pessoas sobre como o cigarro faz mal”. Já o ex-fumante Lauro Bonazi, 43 anos, parabenizou os profissionais por incentivarem as pessoas a para de fumar. “Há 11 anos meu pai morreu de câncer e este foi um estalo para eu perceber que precisava parar de fumar. Então fui me conscientizando de que queria viver, parei de fumar e logo depois já senti várias diferenças. Engordei cinco quilos, não me senti mais cansado e com falta de ar e tenho uma melhor qualidade de vida”, relatou Lauro.

Simulando para o futuro

Aumento de preços é eficiente para diminuição do consumo

Uma simulação mostrou o que aconteceria nos próximos dez anos, caso os preços dos cigarros fossem elevados em 50%, conforme resultados apresentados pelo Ministério da Saúde. Nesse período, o aumento de preços levaria à redução de consumo, evitando 136.482 mortes, 507.451 infartos e outros eventos cardíacos, 100.365 acidentes vascular cerebral e 64.383 novos casos de câncer. A redução do consumo ainda traria ganhos econômicos de R$ 97,9 bilhões no período de dez anos: R$ 32,5 bilhões de economia em custos de saúde, R$ 45,4 bilhões de aumento em arrecadação tributária (já considerando a redução nas vendas de cigarros) e R$ 20 bilhões de economia com perdas de produtividade evitadas. Entre as ações de combate ao tabagismo, a medida mais eficaz para reduzir o consumo, foi o aumento de preços por meio da elevação dos impostos. Segundo o Vigitel, em 12 capitais houve tendência de estabilidade na prevalência de fumantes até 2010 e redução a partir 2011.

Tratamento

O controle do tabaco reduziu em 35% a prevalência de fumantes nas capitais brasileiras, de 2006 a 2016. Os s dados são da Pesquisa Vigitel 2016. Nos últimos anos, o número de fumantes caiu de 15,7%, em 2006, para 10,2% em 2016. Entre as capitais do país com maior índice de fumantes estão Curitiba (14%), Porto Alegre (13,6%) e São Paulo (13,2%). Salvador foi a capital com menos fumantes (5,1%). Como parte da política de combate ao tabagismo, o SUS oferece tratamento gratuito para fumantes nas Unidades Básicas de Saúde. São ofertados adesivos, pastilhas, gomas de mascar e bupropiona.

Estudantes

Outro estudo recente que trata sobre o tabagismo é a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar de 2015. A pesquisa mostrou que as maiores prevalências de experimentação de cigarro, entre os estudantes do 9º ano, foram nas regiões Sul (24,9%) e Centro-Oeste (22,1%).  Com relação ao consumo atual de cigarros pelos adolescentes, os percentuais foram similares entre as regiões (variando de 6% a 7%), com exceção do Nordeste, onde foi mais baixa (4%).

Gostou? Compartilhe