Breve reflexão sobre o ensino médico

Por Luiz Carlos Borges da Silveira

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Recentemente, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) aplicou a prova de avaliação dos novos médicos formados nas faculdades paulistas e constatou que dos 2.891 que se submeteram 55% não foram aprovados, revelando a deficiência do ensino médico. “Surpresa desagradável, os alunos saem da faculdade sem saber coisas básicas”, avaliou o Cremesp. Anteriormente, o diretor da escola de medicina da USP já havia dito que o médico quando sai da faculdade não está preparado. Se no maior Estado, onde estão conceituadas escolas é assim, imagine-se no restante do país. O exame, ainda que obrigatório, não impede o exercício da profissão, mesmo que o avaliado seja reprovado.

Considero importante essa avaliação profissional, a exemplo do que faz a OAB, testando seus filiados antes de liberá-los ao mercado. Se isso é importante para o advogado muito mais para o profissional que vai cuidar de vidas e, não raro é a esperança de quem por ela está lutando. Sem dúvida, como analisou o Cremesp, o resultado é uma desagradável surpresa, embora mais desagradável do que surpresa.

Provavelmente, a causa vem do tempo do Inamps, cuja tabela de remuneração desvalorizava o clínico geral priorizando as especializações, onerando o próprio serviço de atendimento à saúde pública. Com o desestímulo à função de clínico geral o estudante já no início do curso visa a uma especialização e perde a visão do ensino médico como um todo. Hoje existe incontestável carência de clínicos.

O clínico geral bem formado tem condições de resolver mais da metade dos casos e só encaminhará para um especialista os casos específicos. O custo da medicina encareceu muito por esse motivo e pelo excesso de exames complementares solicitado pelo médico antes de examinar o paciente. O corpo não é máquina, há o lado humano, psicológico, emocional. Portanto, está na hora de se pensar em uma reformulação geral da formação do médico.

Luiz Carlos Borges da Silveira é empresário, médico e professor. Foi ministro da Saúde e Deputado Federal

 

Gostou? Compartilhe