Campanha orienta população sobre a "doença do gato"

Reconhecer os sintomas é fundamental para procurar um profissional e iniciar o tratamento

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Considerada a micose subcutânea de maior ocorrência da América Latina, a esporotricose atinge, principalmente, indivíduos que residem em países de clima tropical e subtropical como o Brasil. Desde o final de década de 90 tem sido grande a ocorrência da doença em animais, especialmente em gatos. Preocupada com a sua proliferação, a Sociedade Brasileira de Dermatologia lançou uma campanha para esclarecimento e conscientização da população sobre prevenção e diagnóstico. “No Rio Grande do Sul, a região litorânea apresenta um número significativo de casos e, em menor escala, também são encontrados registros na região central e oeste do estado” comenta a secretária científica da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS, Vanessa Santos Cunha.

 

Esporotricose
A esporotricose é conhecida popularmente como a “doença do gato” e trata-se de uma micose causada por um fungo que está presente no solo, palha, vegetais, espinhos e madeira. Além de atingir os seres humanos, também afeta animais silvestres e domésticos. “Enquanto os cachorros adquirem uma forma de baixa virulência, semelhante à dos humanos, os gatos geralmente adquirem uma forma grave e disseminada da doença”, explica a coordenadora do Departamento de Micologia da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Regina Casz Shechtman.

 

Os sintomas
Nos seres humanos, a doença pode ser percebida através dos sintomas como nódulos dolorosos, similares à picada de inseto, lesões com cores vermelha, rosa ou roxa e surgimento de nódulos no dedo, na mão ou no braço. Em animais, também são comuns o surgimento de nódulos, úlceras, lesões mucosas e sinais respiratórios. A doença tem cura, porém, ela é mais grave em pessoas com imunidade baixa. Desta forma, há necessidade de iniciar o tratamento o mais cedo possível, visto que ele pode chegar a um ano, dependendo da gravidade do caso. As entidades reforçam a necessidade de procurar um médico dermatologista para realizar o diagnóstico e o tratamento mais indicado para cada paciente. Mais informações podem ser obtidas nos sites e nas páginas das redes sociais das entidades.

Gostou? Compartilhe