Conhecendo a endometriose

Doença é responsável por consequências como a disfunção sexual

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As disfunções sexuais, como diminuição do desejo sexual, da excitação sexual e da satisfação sexual, além de dor na relação, são algumas das consequências da endometriose. Pesquisas apontam que pacientes com endometriose podem apresentar o dobro de disfunções sexuais em comparação às mulheres sem a doença. A endometriose é uma doença ginecológica benigna através do implante, crescimento ou desenvolvimento de tecidos endometriais fora do útero. Acontece pelo refluxo de menstruação pelas trompas, provocando um acúmulo de células semelhantes com a camada interna do útero, o endométrio. O Dr. Antonio Carlos Folle, médico ginecologista e obstetra do Hospital da Cidade de Passo Fundo, explica o que é a endometriose. “É o endométrio ectópico, ou seja, é a camada interna do útero que cresce e descama mensalmente, a menstruação, que se encontra fora do seu sítio normal. Pode se localizar em vários locais e órgãos do corpo, sendo os mais frequentes: peritônio, ovários, miométrio, trompas, intestinos, bexiga, parede abdominal, entre outros”.

A incidência está aumentando ou diminuindo?

– Acredito que estejam diminuindo, o que existe, sim, é aumento no número de diagnósticos, pelo melhor conhecimento médico, facilitação do acesso das pacientes às consultas e melhores meios diagnósticos.

Quais os fatores que determinaram isso?

– Com o uso universal dos contraceptivos orais combinados (pílula), melhor conhecimento de sua ação e novas regras de uso. Ou seja, com o uso continuado existe uma diminuição do número de casos de endometriose não diagnosticados.

Ocorre em que faixa etária?

– No período da menacme, isto é, desde a menarca (a primeira menstruação), até a menopausa (a última menstruação).

Quais os sintomas da doença?

– Dor em baixo ventre de intensidade variável, tipo cólica que ocorre no período pré e transmenstrual.

Quais são as causas da endometriose?

– Causas prováveis: menstruarão retrógada, implantes de células endometriais na fase embrionária e implantes iatrogênicos durante procedimentos cirúrgicos.

Como a doença afeta as mulheres?

– Dores em baixo do ventre de intensidades variadas, mais frequentemente tipo cólicas menstruais, dispareunia (dores na relação sexual), alterações do ciclo menstrual com aumento de fluxo sanguíneo e encurtamento de ciclo. Quando em sítios específicos, como a bexiga, pode aparecer sangramento urinário dores miccionais e de bexiga cheia. No intestino terminal sangramento com as fezes e dor evacuatória. E, ainda, a infertilidade de causa mecânica, pela obstrução das trompas, ou imunológica, impedindo a união do óvulo com o espermatozoide. Tudo isto leva a abalos emocionais que propiciam a inadequação social e absenteísmo.

De que maneira as disfunções decorrentes da endometriose afetam a vida da mulher?

– De duas formas principais, infertilidade e dificuldade de engravidar e a dispareunia gerando litígios conjugais que, em ultima análise, levam a distúrbios como ansiedade e depressão.

Como prevenir a doença?

- Não há medidas preventivas. Porém, o uso precoce de contraceptivos hormonais orais ou injetáveis, controla a doença de forma involuntária.

Diagnosticando e tratando

Descobrindo

Comecemos pelo diagnóstico que na maioria das vezes é presuntivo, pelos sintomas às vezes clássicos, sendo diagnóstico de certeza realizado por biopsia da lesão. Com o advento de melhores conhecimentos fisiopatológicos e meios diagnósticos mais modernos, principalmente exames de imagens, como ultrassom, tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética, as alterações ocasionadas pela doença, são mais bem diagnosticadas e tratadas.

Tratamento

O tratamento pode ser clínico medicamentoso ou cirúrgico. O medicamentoso visa inibir os focos ectópicos de endométrio, com drogas antiestrogênicas, que são usadas em casos mais brandos. O cirúrgico é utilizado para casos mais complexos, onde há tumores de células endometriais, aderências pélvicas, lesões peritoneais e focos de parede abdominal, bexiga e intestinos, que é realizado por via cirúrgica aberta ou por procedimentos endoscópicos.

Gostou? Compartilhe