CORONAVÍRUS: “Acelerar o processo para disponibilizar a vacina pode ser perigoso”, avalia virologista

Reação adversa de paciente à dose de Oxford não afeta a credibilidade dos testes para imunização

Por
· 2 min de leitura
Sumaia Vilela/Agência BrasilSumaia Vilela/Agência Brasil
Sumaia Vilela/Agência Brasil

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Embora a Universidade de Oxford e o laboratório anglo-sueco AstraZeneca Plc tenham surpreendido a comunidade científica internacional ao anunciar, na terça-feira (8), a suspensão global temporária dos ensaios clínicos, em pacientes humanos, para o desenvolvimento da vacina contra a Covid-19, os testes não afetam a credibilidade ou a eficácia da dose para imunização.

A avaliação, feita pelo professor virologista do curso de Medicina da IMED, Deniz Anziliero, considera que o anúncio passou pelo filtro de transparência ao revelar reações adversas que uma das voluntárias, uma mulher britânica, apresentou na fase 3 dos testes desta que é uma das vacinas mais promissoras contra o SARS-Cov-2. “Eles precisam parar, voltar atrás e analisar os passos para identificar se houve algum erro na administração do produto. Como é uma vacina muito esperada, os responsáveis resolveram dar um passo atrás para deixar tudo mais claro possível porque um problema lá na frente perde credibilidade”, ponderou. 

A notificação aos países cujas doses estão em fase de teste, entre os quais o Brasil, está longe, porém, de ser um balde de água fria aos cientistas e à população, segundo Anziliero. Isso porque, segundo explicou o professor, a maioria das vacinas produz reações “insignificantes” após serem aplicadas. “Tem se criado muita expectativa em acelerar o processo para disponibilizar a vacina o quanto antes, e é muito perigoso quando os gestores começam a estipular o prazo. Por isso que fazemos ensaios clínicos. O objetivo do ensaio é exatamente esse porque é quando avaliamos a segurança e a eficácia da vacina, e isso precisa de tempo”, frisou. 

Mielite transversa e suspensão dos testes

A reação da paciente voluntária, conforme divulgou o site especializado Stat, desencadeou um conjunto de sintomas semelhantes à mielite transversa. A doença inflamatória, como mencionou Anziliero, é muito rara de se manifestar. “A mieliete transversa é um processo inflamatório ainda desconhecido. As grandes suspeitas da comunidade científica é de que ela tenha uma relação com a autoimunidade do indivíduo. Se suspeita que ela surja associadas às infecções virais”, esclareceu. “É um processo inflamatório na região da medula e altera os sinais nervosos que ela emite para o nosso corpo. Geralmente, infecções virais tem esse tipo de manifestações”, prosseguiu. A causa, portanto, pode estar associada mais ao vírus no organismo que a um efeito colateral da vacina, segundo o especialista. 

Corrida pela imunização

Mesmo com a suspensão dos testes com a vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford, do Reino Unido, outras doses para imunização massiva contra o coronavírus estão em fase de testes no Brasil: a das farmacêuticas Pfizer, dos Estados Unidos e BioNTech, da Alemanha; a vacina Coronavac, criada pela empresa chinesa Sinovac; e a unidade farmacêutica da empresa Johnson & Johnson, última a ter testes clínicos autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

O primeiro passo que os pesquisadores precisam dar nesse sentido, conforme explicou o professor, é identificar uma parte do corpo do microrganismo, uma molécula, que provoque resposta do sistema imunológico ao entrar em contato com células humanas. “Quando elaboramos uma vacina, passamos por 5 fases. Nos ensaios pré-clínicos são desenvolvidas de tecnologias e testadas in vitro ou em seres em ratos. Se a vacina tiver uma resposta positiva, é testada em um grupo pequeno e determinada se ela será aplicada no músculo, embaixo da pele ou via oral [por gotinha]. Já na fase 2, como o número de voluntários é maior, seguimos avaliando se a vacina induz resposta imunológica e é segura observando as reações adversas porque amplia o grupo de testagem”, elucidou. 

Gostou? Compartilhe