Corpo e mente: doenças psicossomáticas

Para algumaspessoas, o desenvolvimentodedoenças está diretamente ligado com o que se passa dentro da mente. O corpo sofre o que a cabeça sofre E é por isso que alguns pacientes desenvolvem as chamdas doenças psicossomáticas

Por
· 4 min de leitura
Nas doenças psicossomáticas, sintomas podem estar relacionados com pensamentosNas doenças psicossomáticas, sintomas podem estar relacionados com pensamentos
Nas doenças psicossomáticas, sintomas podem estar relacionados com pensamentos

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

“O corpo simplesmente não existe de forma separada do psiquismo, contudo, frequentemente temos a ilusão de que a mente tem domínio pleno sobre o corpo, assim como também nos iludimos de que temos domínio pleno sobre a própria mente. O corpo sofre o que a cabeça sofre, assim, quando alguém está com muito medo, treme, transpira, quando muito nervoso, tem dor de barriga, etc. Enfim, o corpo é diretamente atingido pelos afetos”, afirma a psicóloga Tatiana Gassen.

De acordo com ela, desde Freud sabe-se que grande parte do que compõe o aparelho psíquico é desconhecido, é inconsciente, “ou seja, está fora do domínio do raciocínio lógico, da memória consciente e da razão”, comenta. Nas origens dos estudos de Freud, conforme a psicóloga, estavam as mulheres que sofriam de histeria, no final do século XIX e inícios do século XX. Eram mulheres que apresentavam sintomas físicos – convulsões, contraturas, desmaios, cegueira, paralisias de partes do corpo – mas eram até então tomadas como farsantes de seus sintomas, já que eles não tinham a correspondente degeneração física.

“Freud, junto com outros médicos, pesquisavam uma técnica para o tratamento dessas histerias: tratava-se da hipnose. Descobriram que, sob hipnose, os sintomas desapareciam, o membro que estava paralisado tornava-se novamente ativo e era possível manter esse “avanço” inclusive após sair do estado hipnótico. O problema é que esse resultado não durava muito, em breve, o sintoma voltava, ou outros sintomas surgiam em seu lugar. A questão que Freud se fez foi: 'por que havia o sintoma? O que o sustentava? Por que aquela mulher enfermava e porque enfermava daquele jeito?' E foi a partir desses questionamentos que surgiu a psicanálise e a compreensão de que o sintoma tinha um significado psíquico, que a própria pessoa desconhecia, cuja origem era inconsciente”, salienta.

Essas histéricas que Freud tratava não tinham doenças psicossomáticas, segundo Tatiana. “A diferença é que na psicossomática falha a 'ligação' entre a mente e o corpo. Freud descobriu que na histeria, o sintoma físico, tratava de 'traduzir' um sentimento que era muito conflituoso e como que 'impossível de ser pensado', algo que era inaceitável para a mente da pessoa, era convertido para o corpo”. Assim, o sintoma físico tinha um significado simbólico, por exemplo, uma paralisia da perna poderia representar o quanto aquela pessoa estava impedida de “andar para frente” na vida. E, com tratamento psicanalítico, era possível chegar ao significado psíquico do sintoma físico, auxiliar o doente a compreender o que estava sendo representado no corpo e dar outro destino para a vida da pessoa. “Isso é muito diferente do que se passa na doença psicossomática. Nessa enfermidade há presença de efetivo dano físico! E falha essa relação simbólica, entre o conflito psíquico e o sintoma físico, que está presente na histeria. Há como que uma passagem direta para o corpo que impede a simbolização e justo por isso é tão perigoso”, explica Tatiana.

Entrevista

Medicina & Saúde – Como é possível diagnosticar as doenças psicossomáticas?

Tatiana Gassen - Quando há sintoma físico, evidentemente, o primeiro profissional consultado é o médico. Em geral, os diagnósticos provém de um longo histórico de doença que, quando se depara com um médico que tenha a sensibilidade de associar e relacionar o sintoma do paciente com algo psíquico busca auxílio de outros profissionais que possam auxiliá-lo a fazer o diagnóstico. Esse diagnóstico especificamente é multidisciplinar, é necessário que haja a conjunção do médico e do psicólogo para avaliar a potência da subjetividade sobre o corpo. E esse diagnóstico cuidadoso é necessário para também não confundir qualquer doença física com a psicossomática, já que, a grande maioria das doenças não nos atingem por motivos inconscientes, ninguém pega uma gripe, por exemplo, por um motivo inconsciente que a levou a isso. Então, quando se depara com uma situação na qual há a suspeita de psicossomática, a questão necessita ser profundamente analisada, para diagnosticar é preciso tomar em conta a história, os fatores desencadeantes, o que subjaz um comportamento.

Medicina & Saúde - Qual é o momento de procurar ajuda profissional?

Tatiana Gassen - Quando o médico indica tratamento psicológico, poderá ser recebido com estranheza por parte do paciente porque não há nele o sentimento de que algo vá mal com sua cabeça, e sim com seu corpo, falha justamente esse mal estar psíquico, porque está tudo diretamente conectado ao corpo. O primeiro sinal de “melhora”, por mais paradoxal que seja, aparece justamente quando a pessoa começa a sentir um “mal estar psíquico”, um sentimento de mal estar que não seja físico, porque é a possibilidade de ressituar o “mal estar” que até então é absolutamente depositado no corpo, esse mal estar surge como um questionamento, algo como “de onde vem minha dor?” E é importante a questão porque é somente a partir desse tipo de dúvida que se pode iniciar um tratamento, porque se há a certeza de que a doença é física, quando se está diante de um sujeito que cujo corpo serve de palco para grande parte de suas dores psíquicas, é possível que ele não possa compreender, naquele momento, porque pensar além disso.

Medicina & Saúde - Existe tratamento? Como pode ser feito?

Tatiana Gassen - Sim, o tratamento é muito importante. É a única possibilidade de dar outro rumo a isso que fica coagulado no físico, porém é um processo desafiador para todos envolvidos, médicos, psicólogos e familiares, porque informar o paciente do diagnóstico, passar a informação cognitiva do que se passa com ele – inclusive fazendo ligações como: “isso que você está sentindo como dor em tal órgão tem relação com tal evento que se passou em tua vida e sobre o qual você não pôde pensar e sentir” – não é suficiente para alterar o funcionamento psíquico da pessoa. O tratamento é extenso, trabalhoso e multidisciplinar, ou seja, conta com suporte de profissionais de diferentes áreas.

Colaborou

Tatiana Gassen, psicóloga

 

Gostou? Compartilhe