Cresce casos de infarto entre jovens

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) apontou um aumento de 13% no número de internações de jovens por infarto no último ano. O dado preocupa, pois, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), a doença é a maior causa de mortes no mundo, chegando a 17 milhões de vítimas no ano. No primeiro semestre de 2013, segundo dados do Ministério da Saúde, 427 pessoas entre 15 e 29 anos foram internadas com problemas cardíacos.

O cardiologista Marcelo Idalgo Rodrigues, de Campinas, afirma que maus hábitos alimentares, estresse e uso de drogas são algumas das causas do infarto e orienta sobre a prevenção da doença. “Muitos jovens, alimentam-se mal, vivem em ambiente de estresse e não praticam exercícios físicos regularmente”, aponta.
As drogas lícitas ou ilícitas também influenciam diretamente nas complicações do quadro. “Efedrina, cigarro, bebidas alcoólicas, anabolizantes, cocaína e outras substâncias trazem um risco muito grande. Elas agem diretamente no mecanismo fisiopatológico da doença, podem ocasionar um evento desde um primeiro uso, e aumentam muito o número de eventos com uso contínuo”, explica o cardiologista.

Algumas mudanças nos hábitos podem contribuir para a melhora da qualidade de vida, além de minimizar os riscos do infarto. “Parar de fumar, alimentar-se corretamente, praticar atividades físicas e controlar doenças como hipertensão e diabetes é fundamental”, recomenda.

Apesar do risco em qualquer idade, o médico explica que os jovens acabam não relacionando os sintomas com a possível doença. Por isso, a mortalidade entre os mais novos é ainda maior. “Não procurar socorro ou já procurar muito tarde aumenta assim a mortalidade. Quanto mais cedo a vítima for atendida, maiores as chances de recuperação”, explica o clínico.

Os sintomas são os mesmos: dor torácica tipo queimação, dificuldades ao respirar, desmaios, náuseas, transpiração excessiva. No entanto, esses sintomas às vezes estão mascarados pela própria situação de estresse ou uso de drogas. Em caso de suspeita, o médico orienta como deve proceder aos primeiros socorros. “É preciso manter a vítima de repouso e chamar ou procurar socorro o mais rápido possível, via resgate ou levando a mesma a um serviço de urgência, a depender do como a mesma se encontra”, alerta.

O infarto agudo miocárdio ocorre quando há obstrução da circulação coronária, com lesão e morte celular, que pode iniciar com sintomas brandos como leve desconforto torácico ou com quadros mais agressivos, como o paciente já apresentar uma parada cardíaca.

Gostou? Compartilhe