Crises de raiva são normais?

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A pergunta é comum à grande maioria dos pais e mães quando os filhos, por volta dos dois anos de idade, começam a reagir a cada “não” que recebem. Controlar a situação talvez seja uma das tarefas mais difíceis. Porém, é neste momento que os pais devem estar conscientes de seu papel de educadores e saber quais os limites que devem impor aos filhos, mas de foram saudável.

Lidar com isso não é realmente fácil, por isso o Medicina & Saúde foi conversar com o psicólogo Luiz Ronaldo de Oliveira para dar dicas aos pais e mães de como reagir neste momento.

 

Medicina & Saúde - É comum que as crianças, em determinada idade, tenham crises de raiva?

Luiz Ronaldo de Oliveira - Sim, a raiva é a manifestação da emoção em relação a uma situação específica do comportamento, ou seja, sempre que a criança for contrariada do seu desejo irá manifestar indignação e raiva. Os seres humanos ‘normais’ parecem ter as mesmas emoções básicas: sentimentos subjetivos agradáveis e desagradáveis, os quais motivam o comportamento. Contudo as pessoas se diferenciam quanto à frequência com que sentem uma determinada emoção, que tipo de experiências a produzem, e como agem em consequência. Constatamos que as reações emocionais como a raiva, por exemplo, aos acontecimentos e às pessoas as quais estão ligadas são elementos fundamentais da personalidade.

 

M&S - Em que idade isso costuma acontecer?

LRO - A idade é relativa e depende do processo de desenvolvimento do sujeito. A princípio a partir dos 2 anos a criança começa a desafiar os pais e testar a capacidade de continência, diante das investidas de negatividade, e passam a contrariar as determinações dos adultos como uma maneira de apresentar-se à realidade externa. A necessidade de autodeterminação, muitas vezes, assume a forma de resistência.

 

M&S - Que tipos de reações são comuns nas crianças nesse processo?

LRO - A partir dos 2 anos, bebês dóceis e confiantes transformam-se em sujeitos com vontade própria e determinada, às vezes mal humorados, choram e apresentam crises de birra dos nãos e do barulho contestador. Chorar é o modo mais poderoso pelo qual a criança pode comunicar suas necessidades. Assim, a expressão enfática das crianças do que elas querem fazer indica uma transição da dependência do bebê para independência da infância.

 

M&S - Como os pais devem agir?

LRO - Os pais representam para a criança a “imagem reflexo” e o comportamento vai se consolidando na medida que a criança descobre o que lhe favorece e agrada. Se os pais permitirem tudo correm o risco de não conseguirem conter o sujeito na vida adulta e se proibirem tudo também correm o risco de não constituir um sujeito saudável. Por isso o meio termo é necessário nesta etapa do desenvolvimento. Deixar a criança descobrir a realidade e contê-la nos momentos de crise seria a medida ideal para ajudá-la a crescer com saúde emocional. A criança precisa ser contida pelo afeto e não pela força, pois os filhos nos obedecem por amor e não por medo. Ser pais e mães “suficientemente bons” é um desafio constante e exige diálogo e disponibilidade.

Gostou? Compartilhe