Cuidar da voz é cuidar da saúde

O Dia Mundial da Voz chama a atenção sobre a importância da voz humana para a promoção da saúde

Por
· 5 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma das maiores identidades do ser humano é a voz. Ela está presente desde o nascimento e se apresenta de várias formas, por meio do choro, das palavras e até do sorriso. Tão importante para expressar as emoções e para se comunicar, a voz merece uma atenção especial. E para o dia 16 de abril, Dia Mundial da Voz, a Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia lança a campanha “Seja Amigo da sua Voz”, com o objetivo de promover a conscientização da população sobre a importância da voz humana para a promoção da saúde, bem como realizar conscientização de sinais e sintomas que favoreçam o diagnóstico precoce de doenças, como o câncer de laringe, que podem comprometer a qualidade de vida e a própria sobrevida dos indivíduos.

Marca registrada

A voz é uma das marcas registradas de cada ser humano. “A voz humana está presente desde o nascimento, pelo choro, balbucio, lalação, o sorriso, ou seja, vocalizações que expressam nossas emoções. Nossa voz carrega muito de nós, transmite uma mensagem emocional e uma identidade somente nossa, apesar da comunicação também estar associada aos nossos gestos, a nossa expressão facial e corporal”, revela a fonoaudióloga do Centro de Tratamento do Câncer (CTCAN), Gabriela Decol Mendonça, que é Mestre em Envelhecimento Humano, preparadora vocal e especialista em Disfagia e em Fonoaudiologia Hospitalar.

Produzindo som

A fonoaudióloga explica que a voz é produzida na laringe, uma espécie de tubo localizada no pescoço, e para ser gerada envolve todo um processo no organismo. “A laringe localiza-se no pescoço, sendo através das cordas vocais que o som é gerado. O combustível é o ar que sai dos pulmões. Esse ar encontra as cordas vocais que vibram, produzindo um som basal e, através das nossas cavidades de ressonância que o som se propaga, chega na faringe, boca, nariz e seios paranasais, assim, o som terá maior intensidade e recebe a forma de uma vogal e consoante para caracterizar a fala”, explica a fonoaudióloga do CTCAN.

Alterações na voz

Mudanças no tom e na qualidade da voz são sinais que merecem atenção. “Problemas vocais normalmente são percebidos quando há alguma alteração na qualidade da voz como, por exemplo, a rouquidão ou voz fraca. Quando a voz altera chamamos de disfonia e quando ficamos sem voz de afonia”, explica Gabriela, enfatizando que há evidencias de que a terapia vocal, quando corretamente indicada, proporciona a melhoria da voz e oferece condicionamento vocal. As alterações mais comuns nas pregas vocais, que consistem em lesões causadas pelo abuso vocal, são os nódulos (popularmente chamados de calos vocais). A fonoaudióloga também orienta que se a rouquidão ou outra alteração vocal permanecer por mais de 15 dias, o caso deve ser investigado e o paciente deve procurar um fonoaudiólogo ou um otorrinolaringologista.

A importância do diagnóstico precoce

Rouquidão também é um dos sintomas do câncer de laringe

Conforme Gabriela, lesões em pregas vocais (como em outras doenças), quando diagnosticada e tratada precocemente tem um índice de melhora muito maior, que lesões mais antigas e de difícil absorção. A rouquidão ou a ausência da voz também são alguns dos sintomas do câncer de laringe, um dos mais comuns entre os que atingem a região da cabeça e pescoço. “A cavidade oral e orofaringe são estruturas comuns às vias aerodigestivas superiores, fundamentais nas funções de mastigação, deglutição e fonação. Sendo assim, alterações na comunicação acontecem quando a lesão está localizada em qualquer parte deste trato. Os de maior impacto na voz são as lesões na laringe, nas pregas vocais ou próximas delas, o principal sintoma é disfonia (alteração vocal – rouquidão) ou afonia (ausência de voz)”, ressalta Gabriela. As principais causas de câncer de cabeça e pescoço são o álcool, o fumo e fatores biológicos.

Números

O câncer de laringe representa cerca de 25% dos tumores malignos que acometem essa área e 2% de todas as doenças malignas. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa de novos casos é de aproximadamente, 7, 3 mil, e o número de mortes é de 4 mil por ano.

Os amigos da voz

- Tomar bastante líquidos. Importante ressaltar que o líquido não passa pelas pregas vocais, mas quando o corpo está hidratado as pregas vocais também estarão e a vibração será mais natural e com menor impacto;

- Usar roupas confortáveis, roupas apertadas (principalmente no pescoço) dificultam a produção vocal e na cintura comprimem o diafragma o que dificulta a respiração;

- Manter uma rotina de esportes, esses favorecem a respiração dando maior resistência também para uma produção vocal;

- Evitar a automedicação, procure um especialista;

- Manter uma alimentação equilibrada, evite alimentos que são inimigos da voz, principalmente em dias que sua demanda vocal for alta;

- Falar sem esforço, não grite. Abusos vocais, principalmente os cometidos por longos períodos, ou em momentos de alteração vocal, podem lesionar as pregas vocais;

- Cantores e/ou profissionais da voz com altas demandas, devem buscar orientação profissional, como um fonoaudiólogo especialista, para aumentar o cuidado com a voz, com terapias específicas às necessidades, obtendo efeitos positivos, melhor controle vocal, resistência e reduzir o risco de lesões futuras.

Os inimigos da voz

- Fumo, álcool e outras drogas;

- Hábitos vocais inadequados como, por exemplo, falar alto e/ou gritar;

- Posturas corporais inadequadas como, por exemplo, falar ao telefone sustentando-o com o ombro ou falar com a cabeça mais baixa;

- Indivíduos alérgicos em crises podem fazer lesões vocais se cometerem abusos vocais nestes períodos;

- Alimentação inadequada: alimentos pesados, gordurosos e com muito condimento lentificam a digestão e dificultam a movimentação do músculo diafragma, essencial para respiração, combustível para produção da voz;

- Refluxo gastroesofágico é favorecido pela ingesta de alimentos gordurosos e condimentados, cafeína, leite, achocolatado, refrigerantes, bebidas gasosas, álcool, frituras, produtos dietéticos e cítricos, sendo assim, para pessoas com tendência a azia o consumo deve ser controlado;

- Ar condicionado: o limite de resistência para o condicionado é individual, algumas pessoas são sensíveis e podem apresentar garganta ressecada e voz alterada, beber líquidos é fundamental;

- Bebidas gasosas alteram a digestão gástrica prejudicando o controle da voz;

- Balas, pastilhas e sprays têm a mesma ação do álcool, disfarçam a dor prejudicando a vibração das pregas vocais, podendo levar a lesões; para limpeza do trato vocal é indicada a maçã (com propriedade adstringente) diminui a secreção, limpa os dentes e contribui para proteção contra inflamações dos tecidos;

- O clima frio e úmido pode afetar o trato respiratório, favorecendo inflamações e infecções que impedem a livre função vocal, o clima mais indicado é o frio e seco, desde que o indivíduo mantenha-se hidratado com água enquanto fala.

(Fonte: Higiene vocal: Cuidados da voz Mara Behlau; Paulo Pontes; Felipe Moreto, 2017)

A importância do fonoaudiólogo no tratamento oncológico

No tratamento oncológico, além dos médicos, é muito importante a atuação da equipe multiprofissional para oferecer um atendimento integral e uma melhor qualidade de vida ao paciente. Um desses profissionais é o fonoaudiólogo, que atua em todas as fases do tratamento do câncer (quimioterapia, radioterapia ou pré e pós-cirúrgico) nos cuidados específicos com a voz ou, caso necessário, com exercícios vocais. O tratamento é individualizado para cada paciente. A maior incidência de alterações vocais e de deglutição são em pacientes com tumores em cavidade oral, orofaringe e laringe. “O fonoaudiólogo vai atuar em qualquer tipo de câncer, dependendo muito do sintoma que o paciente está apresentando, em muitos casos, não somente na alteração vocal, mas em distúrbios de deglutição (dificuldade para engolir)”, salientou a fonoaudióloga do CTCAN.

 

Gostou? Compartilhe