Diástase abdominal afeta as gestantes

Deslocamento muscular pode ser tratado de forma conservadora ou cirúrgica

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A diástase abdominal pode atingir até 30% das mulheres no pós-parto. É uma forma de estiramento que acontece pelo enfraquecimento da musculatura abdominal. Ocorre quando dois músculos do abdômen, chamados de reto abdominais, são separados devido à distensão de um tecido conjuntivo que os une. Esta distensão resulta do aumento de um conteúdo no abdômen e pode ocorrer devido à gestação. “Com o desenvolvimento da gestação o conteúdo intra-abdominal aumenta à medida que o útero cresce. Os músculos reto abdominais são longos e verticais, fixos no pube e no tórax. Com o aumento do volume intra-abdominal eles são empurrados para frente e como forma de acomodação acabam se afastando”, explica o cirurgião plástico da Clínica Contour, Dr. Rafael Ceita Nunes.

 

Postura
O cirurgião plástico ressalta que esse deslocamento pode trazer outras complicações além da questão estética. “Em casos onde a diástase é significativa o eixo de equilíbrio corporal muda, alterando a postura. Esta mudança pode gerar dores na coluna lombar. Ainda, o tecido conjuntivo entre os músculos do abdômen se torna mais fino com a separação dos músculos e, eventualmente, esta fraqueza pode favorecer o desenvolvimento de hérnias abdominais”.


É possível prevenir?
De acordo com o Dr. Rafael, existem alguns fatores que contribuem para não exacerbar a diástase, principalmente durante a gestação, como: adotar uma postura mais ereta, usar faixas malhas de compressão ou cintos, evitar atividades de impacto, realizar atividades físicas que fortaleçam a parede abdominal. Mesmo assim, não há um fator que previna, mas sim um conjunto de fatores que contribuirão para amenizar a separação da musculatura. O diagnóstico deve ser feito por um médico especialista e consiste em um exame físico minucioso. O profissional comenta que a região peribumbilical é o local onde a apresentação clínica é mais evidente e que os exames de imagem, como ecografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética, podem ajudar no diagnóstico e quantificar o grau de diástase.

 

Recuperação
O médico esclarece que a recuperação espontânea da diástase ocorre na grande maioria dos casos e esta associada com o número de partos, menor ganho de peso durante a gestação, o peso de nascimento do bebê menor que 3,7 kg, aumento dos níveis de atividade antes, durante e após a gravidez. “Isso significa que uma mãe que estiver sendo acompanhada antes do parto também terá menos probabilidade de ter diástase”, diz. Já o tratamento depende de cada caso. O cirurgião plástico comenta que, após seis semanas do parto, a musculatura tende a retornar para sua posição anatômica. A partir daí a paciente pode iniciar o tratamento conservador com base em atividades que fortaleçam a musculatura abdominal, como atividades físicas, eletroestimulação e controle postural. “Se após seis meses de tratamento conservador a paciente não obtiver melhora, então se trabalha com a hipótese de tratamento cirúrgico”.

 

Conservador
Principalmente para o tratamento conservador a equipe multidisciplinar é essencial. Educadores físicos e fisioterapeutas terão objetivo de fortalecer a musculatura abdominal, já a equipe da nutrição ajuda muito no tratamento das pacientes que estão acima do peso com o objetivo de emagrecer e direcionar uma dieta especifica para melhorar o fortalecimento muscular. O cirurgião plástico aborda a parte cirúrgica.

 

Cirúrgico
O cirurgião revela que, para o tratamento cirúrgico, os músculos reto abdominais são aproximados através de uma sutura cirúrgica. “O procedimento também pode ser realizado por via videolaparoscópica ou aberta. Esta última geralmente esta associada à abdominoplastia”, esclarece.

 

Além das gestantes, quem mais pode sofrer com a diástase?

Pessoas como excesso de peso geralmente tem um aumento da gordura visceral, proporcionando aumento do conteúdo intra-abdominal e com isso separando os músculos. “A desnutrição também favorece ao enfraquecimento das fibras conjuntivas e musculares, favorecendo a diástase. Além destes, qualquer patologia que aumente o conteúdo ou a pressão intra-abdominal pode causar a diástase, tais como: ascite, tumorações e visceromegalias”, explica o cirurgião plástico.

Gostou? Compartilhe