Disfagia é mais comum do que você imagina

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O dia 20 de março foi instituído pela Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia para chamar a atenção da população sobre as implicações da Disfagia. A equipe de Fonoaudiologia do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo explica que a disfagia, consiste em um distúrbio de deglutição causado por pós-operatório, entubação por longo prazo, câncer de cabeça e pescoço, envelhecimento, entre outros fatores. O fonoaudiólogo é o profissional habilitado para fazer o diagnóstico, orientar e reabilitar os distúrbios de deglutição, pois é importante se alimentar com segurança, sem oferecer riscos à saúde.

O ato de engolir pode parecer simples e involuntário, no entanto, uma série de ações encadeadas tem de ser tomadas para tanto. Durante a deglutição passamos mais ou menos por quatro fases diferentes: a preparatória, a oral, a faríngea e a esofágica“ A disfagia é um distúrbio que ocorre na alimentação, em que o alimento colocado na boca tem dificuldade em chegar até o estômago. Esta dificuldade pode ocorrer na fase oral, quando há a apreensão do alimento, a mastigação e formação de um bolo alimentar; na fase faríngea, quando impulsionamos para traz o alimento com auxilio da língua, ou na fase esofágica quando o alimento, já deglutido, pode voltar por refluxo ou outras alterações que possam impedir a passagem pelo esôfago”, explicam os fonoaudiólogos, reiterando que  isto é um sintoma e sempre está associado a alguma doença de base, podendo ocorrer em qualquer idade.

Os sintomas da disfagia são tosse frequente durante ou após comer e beber, engasgos, sensação de alimento parado na garganta e dificuldade ou lentidão durante a alimentação.  “ É preciso ficar atento e em caso desses sintomas procurar ajuda profissional. A disfagia pode levar a desnutrição, pneumonia aspirativa e até a morte”, alertam, informando que os principais fatores de risco são prematuridade, doenças neurológicas, traumas de face, câncer de cabeça e pescoço e envelhecimento. “O Fonoaudiólogo estuda, previne e trata os distúrbios da deglutição, atuando de forma precoce, ainda na beira do leito, de forma preventiva, intensiva, pré e pós-cirúrgica, evitando ou minimizando as pneumonias aspirativas, promovendo uma recuperação mais rápida e completa”.

Gostou? Compartilhe