Dopamina, rotina e o ciclo vicioso do prazer

Medicina & Saúde - artigo de William Weber Cecconello.

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Por William Weber Cecconello

 

A dopamina é um neurotransmissor que atua no cérebro dando uma sensação de prazer ao satisfazer uma necessidade ou ao conseguir algo. É ela a responsável pela sensação que temos quando fazemos um gol ou por nos fazer sentir felizes quando conseguimos cumprir uma meta que estabelecemos. Ela também é liberada em situações onde sentimos prazer, como ao comer chocolate por exemplo.

Após nosso cérebro interpretar um estímulo como prazeroso (liberar dopamina), nossa tendência é repetir o que fizemos para ganharmos mais dopamina. O problema é que isto pode gerar um ciclo vicioso.

Em um experimento, cientistas davam regularmente bananas para macacos, o que liberava dopamina. Após algum tempo ganhando regularmente as bananas, os cérebros dos macacos não liberavam mais dopamina ao receber. Então os cientistas pararam de dar bananas aos macacos e estes passaram a liberar cortisol (responsável pelos sentimentos ruins). Ou seja, após algum tempo exposto a um mesmo estímulo que libera dopamina, o nosso cérebro passa a não recompensar com a mesma sensação de prazer, mas ao tirar este estímulo sentimos uma sensação ruim. Isso pode servir como uma base a velha frase ‘‘só damos valor quando perdemos’’.

Outros testes explicam que este efeito é semelhante também ao comer chocolate. Quem já teve algum episódio onde devorou uma barra inteira de chocolate provavelmente percebeu que após cerca de seis barrinhas o chocolate passa a não ter mais o mesmo prazer do que tinha no início, é como se ele fosse perdendo o gosto. Isso acontece por que o cérebro, novamente, só libera dopamina no início da estimulação, o resto do tempo estamos na verdade tentando buscar o prazer inicial que sentimos.

Outro experimento feito com um rato, colocaram eletrodos no cérebro que liberavam dopamina no cérebro assim que o rato pressionava um botão. Ao fim do resultado o rato morreu de fome e sede, pois o cérebro recebia estímulos tão prazerosos que faziam com que o rato buscasse apenas pressionar o botão, deixando de se alimentar ou ingerir água.

Estes testes evidenciam questões importantes de nossa natureza humana. Quando buscamos fazer algo novamente por que isso foi prazeroso, nosso cérebro tem a tendência de focar apenas nos estímulo prazeroso inicial e não focar no problema aqui e agora. Indivíduos dependentes químicos, por exemplo, procuram na substância o prazer que conseguiram inicialmente (ex: usei álcool e esquecidos meus problemas) e acabam por não perceber como a substância não atende mais às expectativas e os problemas que se geraram devido ao uso.

Outra questão importante que a liberação de dopamina traz é a importância de novos objetivos. Quando realizamos sempre uma mesma tarefa, que pode ter sido prazerosa inicialmente, nosso cérebro tende a se acostumar com ela, e por isso acaba interpretando como algo corriqueiro. Sempre que colocamos um objetivo novo o cérebro começa a liberar dopamina a cada momento em que fazemos algo que nos faz ficar mais perto deste objetivo. Ter novos objetivos, ainda que pequenos, em mente é imprescindível para evitar ciclos viciosos de dopamina e melhorar a qualidade de vida.

 

 

William Weber Cecconello é bolsista da Fapergs e acadêmico de psicologia Imed

 

Gostou? Compartilhe