Esquizofrenia: como o psicólogo pode ajudar ? Parte 2

Medicina & Saúde - artigo de Cristina Pilla Della Méa e Diego Rafael Schmidt.

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Por Cristina Pilla Della Méa e Diego Rafael Schmidt

O campo da psicologia começou a pesquisar sobre formas de como auxiliar esse grupo de pacientes. Hoje, estudos comprovam que o paciente que faz uso correto da medicação e realiza psicoterapia obtém resultados mais satisfatórios. Sabe-se, inclusive, que o tratamento psicológico proporciona melhor adesão ao tratamento psiquiátrico, fazendo com que as taxas de recaída diminuam.

A psicoterapia individual é uma técnica em que o paciente conversa periodicamente com um profissional especializado a fim de abordar e aliviar seu sofrimento. Quando a pessoa com esquizofrenia passa por esse processo, tem condições de discernir melhor o que é real do que é imaginário. Além disso, a psicoterapia em si é uma forma de treinamento para melhorar as relações interpessoais do paciente. Quer dizer, ele aprende a identificar seus pensamentos e sentimentos e consequentemente, vai se comunicar melhor com aqueles que convive.

Uma das formas de psicoterapia que vem sendo constantemente aperfeiçoada nas últimas décadas é a terapia cognitivo-comportamental. Trata-se de uma abordagem breve, estruturada, orientada ao presente, cujo objetivo é resolver questões focais e modificar os pensamentos e comportamentos desadaptativos. Durante um tempo, pensou-se que pelo fato do paciente estar em alguns momentos fora da realidade, o mesmo não teria condições de realizar essa modalidade de tratamento. No entanto, percebe-se que o paciente psicótico pode fazer uso de áreas intactas de seu psiquismo para buscar pensamentos alternativos às crenças delirantes, fazendo com que se reduza a sintomatologia do sujeito. Ainda, dentro dessa linha teórica, propõe-se um elo de associação entre o conteúdo delirante e a história de vida do paciente, pois havendo uma compreensão do contexto em que há a psicose, torna-se mais fácil o manejo dos sintomas.

Dentro da terapia cognitivo-comportamental, pode-se fazer uso de estratégias comportamentais para trabalhar com os sintomas, reações emocionais e impulsividades, além de lançar mão de estratégias para o manejo das alucinações. Também, utilizam-se as técnicas de resolução de problemas e o treinamento de habilidades sociais com a finalidade de minimizar os níveis de disfunção decorrentes do transtorno.

O surgimento de tais comportamentos também mobiliza diversos sentimentos nas pessoas próximas. A insegurança acaba sendo o mais comum, pois os amigos e a família geralmente não sabem o que está acontecendo com esse sujeito, negam a existência do problema ou, ainda, podem-se gerar conflitos familiares em função de descobrir de quem é a “culpa” por o paciente estar com esses sintomas. Nesse sentido, o psicólogo também ajuda os membros da família a entenderem melhor o paciente e a descobrir como podem manejá-lo, principalmente em situações de crise.

Sabe-se ainda que se trata de uma patologia que não tem cura, no entanto a psicologia é mais uma ferramenta das quais o paciente e a família podem lançar mão para obterem uma maior qualidade de vida.

 Cristina Pilla Della Méa é psicóloga clínica e professora da Escola de Psicologia e do curso de pós-graduação em Terapia Cognitivo-Comportamental da Imed

Diego Rafael Schmidt é acadêmico do 9º nível da Escola de Psicologia da Imed

Gostou? Compartilhe