Estudos com novos anticorpos monoclonais

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Dr. Goede, do Grupo de Estudo Alemão de Leucemia Linfocítica Crônica, apresentou os resultados finais do primeiro estágio do estudo CLL11, o maior ensaio clínico de fase 3 já conduzido a avaliar três tratamentos em pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) com comorbidades, não submetidos a tratamento prévio.

O desfecho primário do estudo foi a sobrevida livre de progressão (SLP) avaliada pelo pesquisador em dois estágios distintos. Inicialmente, o palestrante apontou diferenças entre o obinutuzumabe e o rituximabe (o obinutuzumabe é o primeiro  anticorpo anti-CD20 tipo 2, modificado por glicoengenharia com efeito muito potencializado sobre a citotoxicidade mediada por anticorpo – ADCC  ). O estudo comparou o uso desse novo anticorpo, o obinutuzumabe ou rituximabe, associados ao clorambucil, ao uso de clorambucil somente.. No estágio 1a do estudo, comparou-se o regime com obinutuzumabe + clorambucil ao uso de clorambucil isoladamente. A comparação direta entre os dois regimes quimio-imunoterápicos será feita no segundo estágio do estudo.

O Dr. Goede concluiu ressaltando que o CLL11 foi o primeiro estudo fase 3 de grande porte a envolver pacientes idosos com LLC e comorbidades. A adição de obinutuzumabe ou rituximabe foi benéfica nesses pacientes, com perfil de segurança aceitável. A comparação direta entre o obinutuzumabe e o rituximabe, combinados ao clorambucil, na população do estudo, ocorrerá no seu estágio 2.

 

Gostou? Compartilhe