Lúpus afeta o sistema imunológico

Doença é silenciosa e atinge mais as mulheres

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), no Brasil há 65 mil pessoas com lúpus. Destes, 90% dos casos são mulheres. Acredita-se que uma em cada 1.700 mulheres brasileiras tenha a doença. Por ser uma doença do sistema imunológico, responsável por nos defender contra infecções e também pela produção de anticorpos e organização dos mecanismos de inflamação. De acordo com o reumatologista Dr. Fábio Batistella, a pessoa pode apresentar diferentes sintomas em várias áreas do corpo, como rins, coração e sistema nervoso central. “Os anticorpos que deveriam nos proteger acabam atacando o organismo e causando inflamações nas células, tecidos e órgãos”.

 

Fatores
A causa da doença ainda é desconhecida pelos médicos, entretanto, existem fatores genéticos, hormonais e ambientais que influenciam o surgimento do lúpus. É importante destacar que ele não é contagioso, pois essa é uma doença autoimune. “A doença pode atingir indivíduos em qualquer faixa etária, principalmente entre 20 e 45 anos. O que pode contribuir para o aparecimento da doença para aqueles que já têm predisposição são algumas infecções virais ou bacterianas, medicamentos e exposição solar”, esclarece o médico.

 

Diagnóstico e tratamento
O lúpus pode apresentar diversos sintomas, o que dificulta a sua identificação. Os sintomas mais comuns são dores articulares, febre, baixa produção de urina e, de uma hora para outra, o paciente pode apresentar diversas lesões na pele quando se expõe ao sol, o que chamamos de fotossensibilidade. Essa vermelhidão ocorre principalmente na face, mais especificamente nas maçãs do rosto. Nos últimos anos, a sobrevida do paciente com lúpus tem sido cada vez maior. “É importante ressaltar que a pessoa com lúpus pode ter uma vida normal. Ela necessita ter alguns cuidados básicos, como evitar exposição excessiva ao sol, não fumar, tomar cuidado com a taxa de colesterol, fazer atividade física e seguir o tratamento adequadamente”, aconselha o reumatologista.

Gostou? Compartilhe