Medicina Fetal

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Os avanços da tecnologia permitem exames cada vez mais complexos e seguros. O mesmo acontece com o setor de medicina fetal. Hoje em dia é possível saber se vai tudo bem com a saúde do bebê quando ele ainda está na barriga. Existem até mesmo exames feitos em 3D e 4D, que são quase fotografias. Entenda como funcionam os exames de ultrassom e quando fazê-los a partir da entrevista da médica Loraine de Oliveira Zeni. Confira.

Os avanços da tecnologia permitem exames cada vez mais complexos e seguros. O mesmo acontece com o setor de medicina fetal. Hoje em dia é possível saber se vai tudo bem com a saúde do bebê quando ele ainda está na barriga. Existem até mesmo exames feitos em 3D e 4D, que são quase fotografias. Entenda como funcionam os exames de ultrassom e quando fazê-los a partir da entrevista da médica Loraine de Oliveira Zeni. Confira.

 

 

Medicina & Saúde - Qual a importância do exame de ultrassom na gravidez?

Loraine de Oliveira Zeni – O exame de ultrassom é um método diagnóstico seguro, não-invasivo, indolor e, portanto, inócuo para o binômio mãe-concepto. Permite confirmar o início da gestação e, depois, acompanhar o desenvolvimento do embrião até o estágio fetal e, finalmente, o nascimento. Nesse último estágio, pode ser muito valioso para determinar o melhor momento do parto. É acessível e com excelente relação custo-benefício. Permite detectar a maior parte das anormalidades morfológicas fetais, sendo extremamente importante no acompanhamento da gestação. Considerando-se sua elevada resolutividade e segurança, o exame ultrassonográfico pode ser repetido quantas vezes forem necessárias.

M&S - Como o exame é realizado e qual a frequência necessária?
LOZ - O exame de ultrassom obstétrico do primeiro trimestre é melhor obtido através da via trans-vaginal, em razão de oportunizar definição de imagens superior a via trans-abdominal. A partir do 2º trimestre emprega-se a via trans-abdominal, podendo a via trans-vaginal ser utilizada em determinadas situações. O primeiro exame ultrassonográfico visa confirmar a gravidez, determinar a idade gestacional e detalhes importantes como avaliação do útero e anexos, se a gestação é única ou múltipla e, muito importante, se não existem evidências de complicações precoces (como, por exemplo, a gravidez tubária). Recomenda-se exame ultrassonográfico morfológico no primeiro trimestre gestacional (idealmente entre 11 e 14 semanas). Esse tipo de ultrassonografia obstétrica é minuciosa e passível de alertar sobre alterações precoces no feto ou demais estruturas correlatas. Esse exame reveste-se de muita importância, porque inclui a pesquisa de marcadores cromossômicos como a translucência nucal, osso nasal, ducto venoso e outros que permitirão os cálculos de risco genético (conforme padrão de excelência internacional pelos critérios da Fetal Medicine Foundation de Londres). Depois, também recomenda-se o exame morfológico obstétrico do 2º trimestre (entre 18 e 24 semanas da gestação) que, usualmente, permite análise detalhada da anatomia fetal ou, ainda, confirmar ou afastar possíveis suspeitas de alterações detectadas no primeiro exame. Após o 2º trimestre, são realizados os exames ultrassonográficos de avaliação e acompanhamento do crescimento e vitalidade fetal.
M&S - O que é avaliado nos exames de ultrassom de rotina e quais as limitações?
LOZ - Nos exames ultrassonográficos de rotina são avaliados a biometria e peso fetal, crescimento e vitalidade fetal, quantidade de líquido amniótico e aspecto da placenta. Pode-se complementar com estudo dopplervelocimétrico dos vasos maternos e fetais (avalia o fluxo de sangue útero-placentário e fetal), avaliação do perfil biofísico fetal (movimentos fetais, respiratórios, reatividade cardíaca, tônus fetal e líquido amniótico) e, também, obtenção de imagens tridimensionais do feto (3D/4D). É importante salientar que a melhor qualidade dos exames ultrassonográficos obstétricos depende de bons equipamentos e execução por profissionais médicos treinados e experientes. Fatores relacionados à gestante e/ou ao feto poderão interferir significativamente na obtenção de imagens ultrassonográficas satisfatórias. São exemplos a obesidade materna e/ou posições fetais desfavoráveis.

 

Gostou? Compartilhe