Mitos e verdades sobre o enfraquecimento dos ossos

Uma das principais causas é a queda nas taxas de hormônios sexuais

Por
· 2 min de leitura
Densitômetro ósseoDensitômetro ósseo
Densitômetro ósseo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nossos organismos possuem um claro ritmo evolutivo durante a vida o qual envolve o avanço em número e organização celular até o alcance do organismo adulto, seguido por um platô funcional variável que evolui para o declínio qualitativo celular difuso de todo o organismo. A formação óssea se dá pela geração de um arcabouço orgânico composto principalmente de um tipo de colágeno no qual são agregados os componentes minerais, notadamente fósforo e cálcio. Os dois tipos celulares mais importantes compreendem os osteoblastos, os quais são responsáveis pela produção da matriz nova (arcabouço orgânico-principalmente colágeno) para o osso, e os osteoclastos, estes são destinados ao processo inverso, à destruição óssea, sendo esta a composição para renovação óssea constante.

 

A reposição hormonal está sempre indicada na menopausa para evitar a osteoporose?
Mito: porém pode estar indicada. Do nascimento até a vida adulta este processo é gerido por vários hormônios, enquanto na fase de crescimento o protagonismo é encampado pelos hormônios do crescimento e tireoidiano, a partir da puberdade os hormônios sexuais assumem papel crescente em todas as searas, notadamente na mineralização da matriz óssea. Em média a partir dos 35 anos de idade começa a haver uma lenta e progressiva desmineralização óssea que no sexo masculino é mais expressa depois da sexta década, enquanto nas mulheres o processo é bastante exacerbado durante a menopausa. Tal diferença norteia a importância dos hormônios sexuais na sustentação do universo mineral dos ossos. A presença de osteoporose na mulher no período climatérico pode ser a condição indicativa de reposição hormonal, desde que não haja contraindicação para a conduta. Outros tratamentos serão associados, mas indubitavelmente a terapia de reposição otimizará sobremaneira o processo de remineralização.

 

Tireóide hiperativa aumenta o risco de osteoporose e fraturas?
Verdade: O entendimento de que os hormônios tireoidianos têm responsabilidade fisiológica no metabolismo basal e seus níveis normais mantém a velocidade estável em todas as reações químicas no organismo, traz a compreensão que seu excesso exacerba o metabolismo difusamente, no que contempla mais catabolismo que anabolismo, o que em nível ósseo leva a osteoporose.
Portanto, o hipertireoidismo, assim como o uso inadvertido de hormônios tireoidianos no mais das vezes com a intenção de emagrecer, pode levar a osteoporose.

 

O Diabético apresenta maior tendência a osteoporose?
Verdade: A insulina tem importante papel no anabolismo orgânico por toda a vida e sua deficiência gera déficits variáveis na estruturação de vários componentes orgânicos, o que inclui a matriz óssea. O diabético tipo 1 porta defeito completo na produção de insulina e inicia a doença muito jovem (na maior parte das vezes), necessitando desde muito cedo a reposição deste hormônio, por isso o comprometimento no alicerçamento ósseo é maior nestes pacientes que aqueles portadores do tipo 2 da doença, os quais possuem déficits parciais na produção insulínica e são acometidos mais tardiamente em suas vidas.

 

Osteoporose
A Osteoporose pode decorrer de outras doenças afora Diabetes e Hipertireoidismo, assim como vários medicamentos em uso continuado podem patrocinar perda de estrutura óssea, com destaque para o uso de corticoides.


A hipovitaminose D tem ganhado importância crescente, ainda que inicialmente supra mensurada por equívocos estatísticos. A Densitometria Óssea pode ser eventualmente feita anualmente a depender do diagnóstico desta patologia, sendo que a ausência de alteração no entorno temporal da Menopausa deixa a critério médico uma próxima reavaliação, que parece bem providencial após os 60 anos em homens e mulheres.

Gostou? Compartilhe