Nesta época a sinusite exige mais atenção

Doença pode se transformar em complicações mais sérias

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma inflamação que produz dor ou pressão na face com sensação de inchaço interno nestas áreas. Esses são alguns dos sintomas da sinusite que, simplificando, é a infecção dos sinus, os seios da face. É uma doença que requer mais atenção nesta época do ano. Depois de diagnosticada, exige atenção no tratamento para evitar uma desagradável e perigosa evolução. A Dra. Nathália Wolff ,médica otorrinolaringologista, explica que a sinusite é um processo inflamatório que acomete a mucosa dos seios da face e também pode atingir a mucosa do nariz; neste caso é chamada de rinossinusite. O edema ou inchaço do nariz e dos óstios, que ventilam os seios da face (orifícios que levam o ar do nariz para os seios da face), fazem com que diminua a ventilação dos seios da face, facilitando a proliferação de vírus, bactérias e em alguns casos (mais raros) fungos, provocando a inflamação que caracteriza a sinusite.

Sintomas e tratamentos

A sinusite não é uma doença contagiosa. Os principais sintomas são obstrução/congestão nasal, secreção nasal ou secreção que desce na garganta, dor na face, diminuição do olfato e, em alguns casos, febre. Os principais tratamentos são a lavagem nasal com soro fisiológico, analgésicos, spray nasal com corticoide, corticoide via oral e, nos casos em que a sinusite é causada por bactérias, pode ser necessário o uso de antibiótico. Existem muitos tratamentos caseiros que as pessoas podem encontrar, principalmente na internet, porém nenhum deles tem comprovação científica de melhora do quadro. Alguns, inclusive podem provocar irritação na mucosa do nariz, vindo a prejudicar o paciente ainda mais. O único tratamento que sabemos que realmente melhora e pode ser feito em casa são as lavagens nasais com água mineral morna e um pouco de sal, embora as soluções fisiológicas prontas vendidas em farmácias já tenham as proporções certas nos frascos.

Perigosa evolução

Há casos de sinusite considerados mais graves. Em raras situações é necessária a internação hospitalar para fazer medicações intravenosas e, em outros, é necessária, inclusive, internação cirúrgica de emergência. Os casos graves de sinusite são considerados aqueles que têm complicação pós-sinusite não tratada ou que teve uma evolução anormal. Nestes casos os pacientes podem desenvolver infecção nos olhos (na pálpebra ou na área interna do olho), meningite ou abscessos no cérebro e ainda trombose de vasos que estão próximos ao cérebro. É preciso ter em mente que o local de incidência da sinusite (seios da face e nariz) é próximo às regiões dos olhos, cérebro e vasos importantes, de modo que as bactérias podem migrar para essas áreas mais delicadas. Daí a necessidade de pronto e eficaz tratamento da doença por um médico especialista.

Da rinite à sinusite

Outono e inverno exigem cuidados especiais. Devemos lavar bem as mãos, evitar ambientes sem ventilação e grandes aglomerações de pessoas, já que assim estamos propensos a adquirir resfriados e gripes, os quais podem levar a quadros de sinusite. Também, tratar a rinite alérgica em pacientes que apresentam este diagnóstico, já que as crises frequentes podem levar à sinusite. No geral, os casos têm se mantido estáveis no país. Porém, na nossa região, podemos dizer que aumentou, visto que a incidência da rinite alérgica avançou e as mudanças de temperatura são frequentes, o que facilita a proliferação de resfriados e gripes, que são considerados causas da sinusite.

Cuidados preventivos

A prevenção da sinusite se faz primeiramente pela prevenção das doenças mais comuns que atingem o nariz e os seios da face que levam a sinusite, que são as gripes, resfriados e rinite alérgica. Nesses casos, cuidados como lavar as mãos, fazer a vacina da gripe e tratar adequadamente a rinite alérgica são fundamentais. Em pacientes que já estão com os quadros respiratórios instalados indica-se lavar o nariz com soro fisiológico frequentemente, para evitar depósito de secreção no nariz, inchaço da mucosa e obstrução nasal, evitando assim a evolução para quadros de sinusite.

Gostou? Compartilhe