O outono e as doenças sazonais

Nesta época aumentam os problemas inflamatórios e alérgicos

Por
· 5 min de leitura
A vacina da gripe e protege das complicações, como a pneumonia viralA vacina da gripe e protege das complicações, como a pneumonia viral
A vacina da gripe e protege das complicações, como a pneumonia viral

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Passo Fundo está em área de clima temperado ou subtropical, onde as quatro estações são bem definidas. Temos um verão com um calor considerável e um inverno frio. Na separação destes extremos, as temperaturas no outono baixam gradativamente e na primavera sobem também gradativamente. Assim, as oscilações de temperatura têm reflexos no organismo. Além disso, as quatro estações ainda chegam acompanhadas de variações na umidade do ar. São fatores climáticos que, naturalmente, estão associados aos resfriados, gripes e até pneumonias. Estamos no outono, que chegou trazendo o início do período frio, um ar mais seco e os problemas respiratórios. A especialista Melissa Thiesen Tumelero explica que “nossa região tem a sazonalidade do inverno, indicada pelos sintomas principalmente de coriza, espirros e congestão nasal, e às vezes tosse. O outro período típico sazonal é a primavera, quando surgem os pólens das gramíneas. No outono, devido às grandes alterações da temperatura em um único dia, comuns nesta época, nosso organismo reage, tentando se adaptar”. Mas os efeitos não são os mesmos para todas as pessoas, informou a alergista e imunologista do corpo clínico do Hospital São Vicente de Paulo. “Tudo isso varia de acordo com o sistema imunológico de cada pessoa e os hábitos de vida e alimentação”.

Ar diferente

No outono, pelas suas características climáticas, o ar que respiramos é bem diferente, conforme informou a especialista. “Geralmente, como o outono é uma estação com menos chuvas, o clima seco pode aumentar, sim, a poluição do ar. O outono também é a estação do ano em que existem mais vírus respiratórios circulando”. A associação desses fatores traz muitas consequências ruins para a nossa saúde. “As doenças respiratórias são as mais comuns nesta época, principalmente a rinite, asma, tosse e infecções virais (resfriados, gripe, laringites) e bacterianas (sinusites, pneumonias). Também as dermatites atópicas pioram com o frio e clima seco”. De acordo com a médica, as crianças e os idosos devem ter cuidados especiais nesta época. “Os extremos de idade e as pessoas com imunodeficiências são os que mais sofrem com as infecçoes, pois o sistema imunológico é mais frágil”. Isso também significa evitar aglomerações, “pois os vírus se transmitem por gotículas de saliva, quando falamos, espirramos, tossimos, ou pelo contato de mãos infectadas”.

Alérgicos ou inflamatórios?

Do resfriado à gripe ou da rinite à sinusite até podem existir algumas semelhanças. Mas há diferenças, conforme detalhou Melissa Tumelero. “A inflamação que ocorre na via aérea, clinicamente é muito parecida, sendo os sintomas de coriza, congestão e espirros presentes nos dois casos. O que diferencia são os fatores que desencadeiam as crises, sendo as alergias mais causadas pelos alérgenos inalatórios (ácaros, pelos de animais, fungos) e têm mais sintoma de coceira nasal e ocular. Mas a troca da temperatura também é um fator irritativo que causa crises nos alérgicos”.

Gripe ou resfriado?

Então, Melissa explica como diferenciar gripe de resfriado. “Ambos têm sintomas de coriza, espirros, congestão nasal, e podem ter tosse. O resfriado pode ou não ter febre, mas geralmente não muito alta. Já na gripe, a febre é mais alta, aparecem sintomas gerais, como dores no corpo, dor de cabeça e mal-estar. Na verdade, a gripe é causada pelo vírus influenza apenas. Existem alguns subtipos que definem mais gravidade, como o H1N1, que teve o maior surto em 2009, mas que em 2015 teve mais casos novamente. O vírus é cíclico, e mutante. Não temos como saber antecipadamente qual o subtipo será o mais prevalente, por isso a importância da vacina, que é baseada nos tipos mais prevalentes do ano anterior”.

Problemas alérgicos

Fala-se muito em rinite. Porém, também teríamos em nossa região algo similar à febre do feno. A médica esclareceu sobre a incidência local. “A febre do feno foi descrita como uma rinite alérgica, mas causada pelos pólens, principalmente das gramíneas. Os sintomas são os mesmos de rinite alérgica por outras causas, às vezes com sintomas oculares mais intensos. Nossa região apresenta uma prevalência alta, devido à área rural e presença destas gramíneas, mas cujos sintomas aparecem apenas na primavera”.

Perigos da pneumonia

Nesta época ainda há o risco de pneumonias, que até podem ter consequências fatais, especialmente para crianças e idosos, como explicou a especialista. “As pneumonias são doenças infecciosas muito frequentes, acometem mais quem já tem algum problema pulmonar, e os extremos de idade. São na maioria causadas por bactérias, que se transmitem pela via aérea, através da saliva também, como na tosse, espirros, falar próximo ou pelo contato oral. Dependendo a bactéria e o estado da saúde da pessoa acometida, há sim risco de morte. Existem algumas vacinas disponíveis contra as principais bactérias que causam as pneumonias”.

A importância das vacinas

De acordo com a alergista e imunologista, a importância das vacinas está além da qualidade de vida que propiciam, pois podem até evitar a morte. “As vacinas são muito importantes na prevenção da gripe. Existem dois tipos: a trivalente, que cobre três subtipos do vírus influenza e é distribuída pelo governo e a quadrivalente, que cobre quatro subtipos, mas está dispoinível apenas em clínicas particulares”. Mas aquelas pessoas que ainda têm restrições ao método de imunização podem ficar tranquilas. “As vacinas são muito seguras, pois são feitas de vírus inativado, portanto sem o poder de causar gripe. O que pode ocorrer é quando algumas pessoas têm contato com outros vírus respiratórios nesta época, ficam resfriadas, coincidentemente com o período pós-vacina, e acham que foi da vacina, mas isto não é possível. A vacina da gripe tem uma eficácia de 70-80%, e protege principalmente das complicações, como a pneumonia viral, principal causa de morte pela gripe”.

Como evitar os problemas de saúde no outono:

- Todos devem se vacinar quando indicado, para gripe e pneumonia, além de se manterem aquecidos e com hábitos saudáveis.

- Manter ambientes arejados, sem aglomeração, com limpeza adequada, aquecimento e umidade ideais, além dos cuidados pessoais de higiene, como cobrir a boca ao tossir, lavar as mãos, banhos e hidratação da pele regulares.

- Se manter aquecido e evitar trocas bruscas da temperatura.

- Como para tudo na saúde, manter uma alimentaçãoo saudável, sem produtos industrializados e beber muita água.

- Fazer atividade física regular, adequada à idade e às condições de saúde, ajuda o sistema imunológico ficar mais eficaz.

- Evitar a automedicação. Nem todos os remédios são para a mesma doença e nem funcionam igual em todas as pessoas. Procurar um médico e consultar é a melhor opção.

Gostou? Compartilhe