Olheiras: saiba as causas, os tipos, modo de prevenção e os novos tratamentos

Especialista nos alerta que a genética pode ter muito influencia sobre mal porém isso não significa que não tenha jeito

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As olheiras são grandes inimigas especialmente das mulheres há longa data e vários fatores do dia a dia estão implicados na sua piora tais como: cansaço, má alimentação (principalmente rica em muito sal - o que acaba por aumentar as bolsas), dormir pouco, trabalhar demais, chorar, além da ingestão excessiva de álcool. Esses são os fatores de piora das olheiras, entretanto não são a causa do problema, ao contrário, do que muitos pensam.

De acordo com a médica dermatologista Daniela Ribeiro, especialista em medicina estética, muitas vezes as olheiras aparecem simplesmente por genética. É isso mesmo, ou até por algum tipo de alergia na pele ou alergia respiratória como a rinite alérgica.
Então muitas vezes é difícil evitar o problema mesmo que se tenha uma vida extremamente saudável. Mas nem por isso significa que não tenha tratamento. Pelo contrário, hoje as técnicas mais modernas de tratamentos permitem corrigir e tratar as olheiras mais facilmente.
Antes de decidir qual o melhor tratamento é importante que um profissional médico dermatologista avalie qual o tipo da sua olheira para então poder fazer um plano de tratamento adequado para cada caso.

A médica explica que existem basicamente 4 tipos de olheiras:

1. PIGMENTAR- ocorre por depósito de pigmento na pele. As olheiras nesse caso são de cor marrom. Muito comum em pessoas de pele morena, em pessoas com tendência genética e alérgicos. O tratamento destas olheiras podem ser feitos com peelings químicos ou Laser Elekra (laser Q-Swichted Fracionado).

2. VASCULAR - ocorre quando existe um aumento de vasos sanguíneos na região ou por depósito de hemossiderina (um composto do sangue). Elas geralmente são avermelhas, azuladas ou arroxeadas. Podemos tratá-las com luz pulsada.

3. ESTRUTURAL - ocorre por falta de tecido na região quando a pele fica muito fina e vemos o músculo por transparência ou até por formar uma sombra na goteira lacrimal deixando uma aparência de olho profundo. Muitas vezes o envelhecimento da região palpebral acaba acentuando esse tipo de olheiras. Geralmente são tratadas com preenchimentos a base de acido hialurônico , com o skinbooster ou com o Ulthera (para melhorar a flacidez na região). Ou até combinando as técnicas.

4. MISTA - é o tipo mais comum de olheiras. Geralmente existe uma combinação dos fatores acima levando às olheiras. Nesse caso uma mistura de tratamentos deverá ser utilizada. Além destes citados acima pode-se usar o Laser Fracionado de Co2 ipixel com impact fazendo infusão de medicamentos (como a vitamina C e o ácido tranexâmico).

A médica ainda lembra que todos os tratamentos amenizam as olheiras mas não as fazem desaparecer portanto sempre precisará tratar. Os tratamentos com produtos tópicos como cremes e séruns ajudam a prevenir a formação das mesmas e devem sempre ser utilizados mas não corrigem olheiras já formadas.

Colaborou
Daniela Ribeiro, médica dermatologista, especialista pela SBD, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia e Membro da Academia Americana de Dermatologia e da American Society for Laser Medicine And Surgery

 

Gostou? Compartilhe