OMS alerta sobre o envelhecimento da população

Número de pessoas com 60 anos no mundo passará de 12,3% para 21,5% até 2050

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Organização Mundial da Saúde, através de um relatório mundial, alerta sobre o envelhecimento da população. A organização revela que o número de pessoas com 60 anos no mundo passará de 12,3% para 21,5% até 2050. No Brasil, o ritmo deve ser ainda mais acelerado. Nos próximos 35 anos, idosos devem passar de 12,5% (23 milhões) para 30% (64 milhões) da população do país. Passaríamos a ser, então, uma nação de idosos (classificação dada aos países com mais de 14% da população constituída por pessoas da terceira idade). O exemplo pode ser o de uma criança nascida hoje no Brasil, que vai viver 20 anos mais do que as nascidas há cinco décadas. A questão é: o Brasil está preparado? Segundo Alexandre Kalache, presidente do Centro Internacional para Longevidade Brasil e membro da Rede Global de Cidades e Comunidades Amigáveis aos Idosos da OMS, o país está envelhecendo antes de se tornar rico, e isso, sim, é um problema.

 

Doenças crônicas
O Dr. Johnny Zoppas, clínico e cirurgião, entende que na verdade, enquanto países como o Canadá, que têm a metade do número de idosos do Brasil, já estão com políticas públicas e de infraestrutura preparadas, aqui o processo ainda está caminhando e com muitos gargalos estruturais. Para o médico, atualmente, a expectativa de vida da população é de 75 anos. Entretanto, sabemos que os últimos 10 anos, na maioria das vezes, são vividos de maneira muito precária por conta de enfermidades. “O idoso não se torna autossuficiente. Doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, que são as grandes causas de morte na terceira idade, começam a dar sinais cedo e poderiam ser controladas. A falta de informação, acesso às dietas mais saudáveis e colocar atividade física como prioridade influenciam diretamente nessa questão. Por isso a necessidade da prevenção”, reitera Zoppas.

  
Guardar saúde 
O documento da OMS explica que, enquanto algumas pessoas estão de fato vivendo mais e mais saudáveis, elas geralmente pertencem a classes mais ricas da sociedade. Por isso Johnny reitera que devemos “guardar saúde”. Isso mesmo: ter alimentação saudável, ter momentos de lazer e descontração, praticar atividades físicas e qualidade no descanso. Teremos uma velhice saudável se a partir de hoje cuidarmos mais de nossa saúde. Nunca é tarde para começarmos.

Gostou? Compartilhe