Por que o excesso de sal faz mal à saúde?

O consumo médio do brasileiro equivale ao dobro do recomendado

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O sal acompanha a humanidade há milênios. Não para temperar, mas para preservar a comida. Egípcios e fenícios salgavam alimentos para leva-los para locais distantes. Na China, onde a função do sal era conservar ovos em salmoura, também foi utilizado para salgar peixes nas temporadas de pesca para que fossem consumidos mais tarde. O sal retira a água, evita a proliferação de bactérias e permite a conservação dos alimentos. Temos como exemplos bem conhecidos o bacalhau, que vem salgado da Noruega, e o charque aqui do Rio Grande do Sul. Mas, no início do Século XX, o sal também passou a ser utilizado como tempero. Mesmo com tantos benefícios à humanidade, o sal aumenta a pressão arterial. Hoje, já na condição de vilão, pode ser classificado como prejudicial à saúde. A Dra. Marisa Garcia Rosa explica que o aumento da pressão ocorre por conta da propriedade osmótica do cloreto de sódio, principal componente do tempero, que atrai as moléculas de água para si e leva à retenção de líquidos.

 

Como atua na circulação

De acordo com a cardiologista, “quando o sal entra no organismo, ele é absorvido pelo intestino e vai direto para o sangue. Se é consumido em grande quantidade, cai na mesma proporção nos vasos. Como a água do corpo é sugada pelo cloreto, o organismo, na tentativa de manter o equilíbrio e normalizar a falta de água, eleva a pressão arterial para aumentar o fluxo de sangue circulando”. Acontece que os vasos estão acostumados com um determinado volume sanguíneo circulando em seu interior. Quando a quantidade de sangue circulante aumenta muito, os vasos se contraem para tentar diminuir o fluxo e restabelecer o estado habitual. Esta constrição dos vasos de fato diminui a quantidade de sangue circulando no organismo, mas a pressão de bombeamento do coração continua aumentada. “Consequentemente, o órgão não é irrigado de maneira adequada, justamente quando precisa trabalhar com mais intensidade, o que faz com que seu tecido fique mais espesso”, completa a especialista. Esta sequência de alterações pode levar a uma série de consequências graves: hipertensão arterial, problemas renais, arritmia e infarto.
 
O lado bom
Esses males não significam que sal deva ser eliminado da dieta. A sua ausência também tem consequências ruins. A necessidade diária de sódio para os seres humanos é de 500 mg, e a ingestão de sal é considerada saudável até o limite de 2 g (aproximadamente 1/2 colher de café) por dia. O problema é que o consumo médio do brasileiro corresponde ao dobro do recomendado. “O sódio é um dos 22 minerais considerados essenciais na alimentação e tem papel fundamental na manutenção do equilíbrio e distribuição dos líquidos corporais (dentro e fora das células), além de contribuir para a contração muscular e transmissão dos impulsos nervosos e do ritmo cardíaco, permitindo o bom funcionamento do cérebro e o controle adequado das funções vitais do organismo”, explica Mariza. Quando há uma queda rápida dos níveis de sódio (hiponatremia), os principais sintomas são: diminuição da pressão, confusão mental, letargia, anorexia, convulsões, coma, náuseas, vômitos, cãibras e fraqueza. “Ainda, o sal de cozinha é para nós a principal fonte de iodo. A deficiência dessa substância no corpo pode causar deficiência mental e abortos espontâneos”.

Gostou? Compartilhe