Presbifagia: o envelhecimento da deglutição

Medicina & Saúde - coluna da fonoaudióloga Stéfanie Rozin

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Segundo dados do IBGE, o Brasil tinha 21 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos em 2012. A estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que o país seja o sexto em número de idosos em 2025, quando deve chegar a 32 milhões de pessoas com 60 anos ou mais.

No processo de envelhecimento ocorrem mudanças nas estruturas e nas funções do nosso corpo, que podem variar de um idoso para o outro, mas que são normais nessa fase da vida. Algumas dessas mudanças podem comprometer os órgãos fonoarticulatórios e, por consequência, modificam as funções orofaciais (mastigação, deglutição, fala). Chama-se presbifagia a dificuldade de engolir os alimentos em função do envelhecimento das estruturas envolvidas, sem causa neurológica associada. Caracteriza-se pelas modificações e alterações na condução do bolo alimentar em indivíduos idosos saudáveis.

As modificações na deglutição no envelhecimento ocorrem pela disfunção sensorial, de forma progressiva, que afeta o paladar e o olfato, pelo uso de prótese dentária mal adaptada ou pela perda de dentes, a diminuição da saliva no uso de alguma medicação, e a redução do tônus muscular prejudicando visivelmente o processo da mastigação e a fase preparatória da deglutição.

A língua pode apresentar redução de mobilidade e força muscular, além da perda de papilas gustativas. Em conjunto com a diminuição do olfato, informações sensoriais importantes são comprometidas durante a alimentação. A diminuição do tônus da musculatura mastigatória leva o idoso mais rapidamente à fadiga muscular. Soma-se a isso, a diminuição da sensibilidade faríngea e redução da elevação da laringe, diminuindo a proteção das vias aéreas.

Com o avançar da idade, o idoso passa a demorar-se para mastigar e engolir os alimentos e pode ainda engolir grande quantidade de alimento sem perceber, já que a sensibilidade na cavidade oral pode estar diminuída.

É primordial observar os seguintes sinais:

- engasgos e tosses frequentes ao se alimentar;

- alteração no vedamento (fechamento) labial;

- tremor labial e lingual;

- boca muito seca;

- dificuldade para mastigar os alimentos;

- dificuldade para controlar o alimento dentro da boca;

- sentir falta de ar e cansaço enquanto se alimenta;

- preferir alimentos de consistência mais mole.

Se estes sinais aparecerem com freqüência, acompanhados de febre e perda de peso, podem indicar um quadro diferente da presbifagia que faz parte do envelhecimento natural. Ao contrário desta, a disfagia é mais grave e em muitos casos está associada a diferentes patologias de base neurológica. Neste caso, é importante conversar com o seu médico. A videofluoroscopia ou videodeglutograma é o exame radiográfico em tempo real da deglutição que permite a visualização de alterações da cavidade oral até o alimento chegar no estômago.

O fonoaudiólogo é o profissional habilitado para ajudar o indivíduo com dificuldades para engolir. A terapia baseia-se em exercícios para melhorar a postura, tônus e mobilidade da musculatura oral, melhorando também aspectos de sensibilidade e prevenindo futuros engasgos. A alimentação segura deverá ser sempre fonte de prazer, nunca de preocupação. Fique atento!

Gostou? Compartilhe