Prevenindo câncer de mama com vitamina D

Recentemente foi publicado um estudo por uma universidade Americana abordando a importância da vitamina D na prevenção do câncer de mama, sendo que a deficiência desta vitamina poderia ocasionar a ocorrência deste tipo de câncer em até 600 %

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel a qual é melhor absorvida na presença de gorduras, seu consumo excessivo pode ocasionar toxicidade porém, estima-se que um terço da população tenha deficiência desta vitamina .
Essa deficiência pode ser responsável por diversas patologias, entre elas: osteoporose, asma, hipertensão, autismo, doenças cardiovasculares, escleroso múltipla, doenças reumatoides e alguns tipos de câncer incluindo principalmente o de mama.
Recentemente foi publicado um estudo por uma universidade Americana abordando a importância da vitamina D na prevenção do câncer de mama, sendo que a deficiência desta vitamina poderia ocasionar a ocorrência deste tipo de câncer em até 600 %
Esta vitamina está presente nos alimentos na forma pró-ativa a qual depende da luz solar para ser convertida na forma ativa no rim. Por isso, é tão importante receber sol nos horários recomendados antes das 10 horas da manhã e após as 16 horas.
Mas existe outro fator importante que pode influenciar o processo absortivo, que consiste no consumo excessivo de sal, o qual poderia eliminar essa vitamina favorecendo a deficiência. O consumo recomendável de sal pela Organização Mundial de Saúde é de 5 gramas ao dia mas o consumo médio do brasileiro chega em torno de 15 gramas.
Uma alimentação com quantidade recomendada de vitamina D deve ter como componentes: laticínios, gema de ovo, brócolis, feijões, fígado, ervilha, entre outros.
Contudo, justifica-se a necessidade de realizar esse marcador através dos exames de rotina para estabelecer tratamento adequado seja através da alimentação ou suplementação de modo a controlar preventivamente.
Jureci Machado é nutricionista do Centro Integrado de Terapia Onco-Hematológica – CITO.

Gostou? Compartilhe