Prisão de ventre é a principal causa das hemorróidas

Por receio do tratamento e vergonha em assumir a doença até mesmo para o médico, muitas pessoas deixam de recorrer a ajuda especializada para tratar a dilatação das veias localizadas na parte final do intestino

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Popularmente conhecida como hemorroida, a doença hemorroidária (DH) afeta mais de 50% da população mundial acima dos 50 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Por receio do tratamento e vergonha em assumir a doença até mesmo para o médico, muitas pessoas deixam de recorrer a ajuda especializada para tratar a dilatação das veias localizadas na parte final do intestino.
Os vasos constituem a anatomia normal do canal anal que podem dilatar e deslizar, por vezes, saindo pela borda anal, ou seja, pelo ânus, causando a doença hemorroidária.

O maior fator de risco é o intestino preso
O principal fator de risco é a obstipação. A pessoa que possui intestino preso e precisa fazer esforço para evacuar está mais propensa a ter DH. "Isso está muito relacionado a uma dieta pobre em fibras", alerta o médico coloproctologista, Dr. Gustavo Becker Pereira (CRM/SC 12984).
O ideal, segundo o médico, é que cada pessoa ingira de 20 a 30 gramas de fibra por dia, o que equivale a um prato grande de salada, sempre responda aos estímulos evacuatórios e consuma bastante água. "Tudo isso ajuda o intestino a funcionar de maneira adequada", reforça.
O normal é que uma pessoa evacue três vezes por semana, no mínimo, e três vezes ao dia, no máximo. As alterações no ritmo intestinal geralmente resultam em fezes endurecidas e na necessidade de fazer esforço para evacuar. "Isso tudo leva ao aumento de pressão e à deformação dos vasos", diz o Dr. Gustavo Becker Pereira. Pessoas obesas e gestantes também têm mais chance de ter a doença devido ao aumento da pressão abdominal que dificulta a drenagem sanguínea na região perineal.
Outro fator que facilita o surgimento da DH é o aumento da idade, que está diretamente relacionado à degeneração do tecido que sustenta os vasos. "Sem o suporte adequado, os vasos deslizam e a doença hemorroidária aparece", explica o coloproctologista.

Sintoma mais comum é o sangramento
O sangramento nas fezes é o principal sintoma da doença. Ocorre em pequeno volume, durante ou imediatamente após a evacuação. Além de ser um sinal de DH, esse sintoma também está relacionado ao câncer colorretal. A diferença é que nas pessoas com câncer o sangramento ocorre logo no início da evacuação. "Por isso é importante sempre consultar um médico especialista quando a pessoa percebe a presença de sangue nas fezes", adverte o médico.
Ardência e coceira são outros sintomas associados a DH. Quando há dor forte no reto, significa que é grande a possibilidade de a pessoa com a doença também ter trombose hemorroidária ou fissural anal, duas condições que estão associadas à sensação de dor. A trombose é caracterizada pela formação de um coágulo dentro do vaso que causa inflamação, inchaço e provoca o surgimento de um nódulo na borda anal que causa a dor. Já a fissura anal normalmente acomete pessoas que enfrentam problemas para evacuar.

Cirurgias para hemorroidas
Os tratamentos para a doença hemorroidária diagnosticada na fase inicial diminuem os sintomas e provocam a estabilidade da doença, mas não curam. "A solução definitiva é possível por meio de cirurgia", destaca o coloproctologista.
A cirurgia convencional retira os vasos e exige maior tempo de recuperação, até a cicatrização da região ser completa. As técnicas mais recentes, uma delas chamada PPH (procedimento para prolapso e hemorroidas) e outra denominada THD (desarterialização hemorroidária transanal), causam menor desconforto pós-operatório e reduzem o tempo de recuperação. Ambas são formas seguras e eficazes de tratar as hemorroidas.

Gostou? Compartilhe