Ray-Ban: 75 anos história na moda

Não dá para não fazer uma coluna dedicada a esta marca. A Ray-Ban, há 75 anos não sai do rosto das pessoas. Marcas vão e vem e ela continua firme, ditando tendência e estilo e é a preferida de artistas e formadores de opinião do mundo todo.

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Juliana Scchneider

Na década de 20, a indústria da aviação nos Estados Unidos crescia rapidamente. As aeronaves eram cada vez mais modernas, mas os pilotos sofriam com a claridade e os raios solares. Foi então que John MacCready, um general da Força Aérea dos Estados Unidos, fez uma encomenda para a Bausch & Lomb, empresa óptica americana fundada em 1849 por J.J. Bausch e H. Lomb: produzir uma proteção ocular para os seus pilotos de caça, que enfrentavam sérios problemas de visibilidade em virtude dos raios UV. A empresa resolveu assumir o desafio, e depois de dez anos de pesquisas intensas, apresentou, inspirados nas primeiras máscaras criadas para pilotos de avião no início do século passado, os óculos Anti-Glare Aviator, que passaram a fazer parte dos acessórios básicos dos militares americanos. Somente em 1937 a novidade ganhou o nome de RAY-BAN e começou a ser comercializada em sua versão civil, batizada de Ray-Ban Aviator, com lentes verde-escuras e armação dourada. Os óculos foram batizados com esse nome, pois reduziam a incidência de raios UV nos olhos, ou seja, baniam os raios (em inglês Ray-Banner).

Durante a década de 50, mais precisamente em 1952, o designer Raymond Stegeman criou o modelo Wayfarer construído com armação de plástico e com um desenho inspirado em carros com traseira rabo-de-peixe, muito comum na época. Raymond Stegeman vendeu o protótipo para a B&L que registrou a patente como Ray-Ban Wayfarer. Seu objetivo inicial era vende-los também a pilotos todavia foi comumente adotado por artistas. Os Wayfarers obtiveram grande popularidade na década de 1950 e 1960, especialmente após de terem sido usados por Audrey Hepburn, em 1961 no filme Breakfast at Tiffany's.

 Os óculos Ray-Ban são considerados clássicos hoje. Seus modelos nunca deixam de estar em alta, e usa-los mostra atitude e estilo. Para comemorar os 75 anos, a marca norte-americana lança uma nova campanha, “Never Hide” (as campanhas também são um ponto forte da marca) que mostra os modelos lançados pela marca ao longo das décadas do século 20, usados por personalidades que colaboraram para a formação da cultura americana como a conhecemos hoje. Ela lança também um livro intitulado “Legends: Untold Stories”, que como o próprio nome indica, relata as histórias “nunca contadas” de celebridades como Arthur Miller, Marilyn Monroe, James Dean, Bob Dylan, Jack Nicholson e Sean Penn, que ao longo dos anos aderiram aos modelos da Ray-Ban. A publicação não estará disponível para compra e será oferecida pela marca a alguns formadores de opinião. E, para finalizar as comemorações, a grife lançou um modelo aviador com edição limitada. Para quem é fã da marca como eu, não para não ter.

Gostou? Compartilhe