Resfriado, gripe comum ou H1N1?

Com sintomas parecidos mas agentes causadores diferentes, as três doenças, típicas do outono/inverno, confundem pacientes. Saiba as características de cada uma, como diferenciá-las e, principalmente, como tratar cada uma

Por
· 5 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando o primeiro espirro dá início a uma série de novas dores, você já imagina que uma gripe ou um resfriado conseguiu ultrapassar o seu sistema imunológico e se instalar no seu corpo causando desconforto. Em tempos de surto de H1N1, você pode, por um momento, imaginar que contraiu a doença. O fato é que, apesar de os sintomas da gripe comum, do resfriado e da H1N1 serem semelhantes, as três doenças são diferentes, afetam o corpo de formas distintas e os tratamentos devem ser direcionados. Com a chegada do outono e a proximidade do inverno, ainda que as temperaturas ainda estejam altas, a tendência é que essas doenças se manifestem de forma mais intensa e, por isso, é preciso estar atento para saber como estancar a ação dos vírus: você sabe diferenciar a gripe comum, o resfriado e a H1N1?

Diferença central: agente causador
É preciso entender, primeiramente, que gripe comum, resfriado e H1N1 são causados por agentes diferentes. “O resfriado é causado por diferentes tipos de rinovírus (existem mais de 100), a gripe comum é causada pelas diferentes cepas dos vírus influenza A  e pelo influenza B e a gripe do H1N1 é causada por um subtipo de influenza A, identificado como H1N1. A outra diferença é que o vírus H1N1 tem uma virulência maior, ou seja, é mais agressivo e causa mais complicações respiratórias. Isso não significa que os outros vírus não possam causar complicações”, explica a Doutora Janaína Pilau, médica pneumologista e coordenadora médica da UTI Adulto do Hospital da Cidade de Passo Fundo. 

Semelhança: sintomas
Ainda que se trate de doenças causadas por diferentes tipos de vírus, os sintomas de cada uma delas são semelhantes. “Apresentam coriza, congestão nasal, dores pelo corpo e nas articulações, febre de diferentes intensidade, podendo ou não estar acompanhados de tosse”, elenca a doutora Janaína que também diferencia: “No resfriado, geralmente o paciente não apresenta febre, mas sim febrícula - entre 37,5 a 37,7 graus. Na gripe comum e no H1N1 os sintomas iniciais são iguais, com febre mais alta - acima de 38 graus associado aos demais sintomas. A diferença está na intensidade dos sintomas e na evolução da doença, que no caso do H1N1 são mais intensos e podem evoluir com febre alta persistente e dificuldade respiratória”. Essa evolução, segundo a doutora, pode ser rápida. “O paciente com sintomas gripais deve ficar atento a essa evolução, e, quando perceber que há uma piora do quadro gripal inicial, deve procurar atendimento médico”, explica.

Tratamento: de olho na evolução da doença
É, justamente, essa evolução da doença que vai direcionar o tratamento empregado. “O tratamento na maioria das vezes, nos três casos, é com sintomáticos e repouso”, declara. Além da medicação sintomática e do repouso, o tratamento envolve, também, hidratação, antitérmico e alimentação leve. Janaína acrescenta, ainda, a necessidade de estar atento ao desenvolvimento da doença. “Geralmente a evolução da doença é autolimitada: a cura acontece em 5 a 7 dias, sem necessidade de tratamento específico”, explica. Nos casos com complicações graves, são necessárias medidas de suporte intensivo. É válido ressaltar que uma das principais complicações da influenza são as infecções bacterianas secundárias - principalmente as pneumonias. Nesse caso, o tratamento é específico. “No caso de piora do quadro inicial, deve-se usar oseltamivir (Tamiflu ®)”, continua a doutora. O Ministério da Saúde alerta que é fundamental procurar atendimento nas unidades de saúde, para que haja identificação precoce de risco para agravamento da doença.

Como prevenir?
Em função de o grupo de risco das três doenças ser o mesmo, as indicações de prevenção também são as mesmas: “As pessoas que fazem parte do grupo de risco devem fazer a vacinação na época adequada, adotar o hábito de lavar as mãos diversas vezes ao dia, usar o braço para proteger ao tossir ou espirrar e não as mãos, usar lenços de papel no lugar dos de pano, fazer higiene nasal com soro fisiológico”, elenca a doutora. Ainda, ela enfatiza que é importante fazer a diferenciação das doenças para saber como proceder em cada caso. “O paciente pode diferenciá-las baseado nos sintomas descritos acima. Se ficar em dúvida, procurar as unidades básicas de saúde onde haverá um profissional para orientá-lo. Em caso de dificuldade respiratória, esse paciente deverá procurar os setores de emergência”, conclui.

E sobre a sinusite?
A sinusite geralmente é uma infecção respiratória bacteriana secundária ao quadro viral. Nesse caso o paciente pode evoluir com tosse, geralmente produtiva e expectoração purulenta associada ou não a cefaléia. O tratamento da sinusite é com antibióticos. Uma maneira de tentar prevenir a infecção bacteriana secundária, sinusite, é intensificar a higienização do nariz com soro fisiológico, que pode ser usados diversas vezes ao dia.

Entenda as doenças:

Resfriado:
Causado principalmente pelos rinovírus e outros cinco grupos de vírus, o resfriado atinge as vias aéreas superiores do corpo: nariz, faringe e laringe. As manifestações mais características são a coriza, a sensação de narinas congestionadas e incômodos leves no corpo. Na maioria dos casos não há febre. Se houver, é baixa. Em resumo, os sintomas são mais brandos e duram, em média, de dois a quatro dias.

Gripe comum:
As gripes que atingem a maior parte população, geralmente no inverno, são causadas pelos vírus influenza. Eles são classificados em três tipos: A, B ou C. A gripe H1N1 é causada pelo tipo A e, por isso, qualquer outra manifestação está relacionada com os vírus das categorias B e C. Os sintomas, porém, são muito semelhantes: febre alta, dores musculares e de cabeça, tosse, espirro, dor nos olhos, congestão nasal, fadiga e calafrios são algumas das principais manifestações das gripes sazonais.

Gripe H1N1:
O vírus influenza do tipo A, causador da gripe suína, recebe esse nome justamente porque pode atingir humanos e porcos. Os sintomas da infecção são muito semelhantes aos de qualquer outra gripe, mas podem se manifestar de uma forma mais intensa: a pessoa sente muitos calafrios, tem tosse seca e contínua, náuseas, diarreia e até rouquidão.

Check list da prevenção

São três doenças diferentes, mas a prevenção é a mesma!

- frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento;
- utilizar lenço descartável para higiene nasal;
- cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
- evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
- higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
- não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
- manter os ambientes bem ventilados;
- evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe.
Colaborou Doutora Janaína Pilau, médica pneumologista e coordenadora médica da UTI Adulto do Hospital da Cidade de Passo Fundo. 

Gostou? Compartilhe