Atividade física: aliada da saúde e bem-estar

A falta de atividade física é um fator de risco chave para doenças crônicas não-transmissíveis (DCNTs) como as doenças cardiovasculares, câncer e diabetes

Por
· 5 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A atividade física é parte fundamental para saúde de todos indivíduos, seja feita de forma leve ou intensa. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a inatividade física é o quarto principal fator de risco de morte no mundo e aproximadamente 3,2 milhões de pessoas morrem a cada ano em decorrência disso. A falta de atividade física é um fator de risco chave para doenças crônicas não-transmissíveis (DCNTs) como as doenças cardiovasculares, câncer e diabetes. No mundo, um em cada três adultos não pratica atividade física suficiente. A Fisioterapeuta do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, Ana Cristina Doring orienta que o corpo precisa de movimento, de consciência e cuidado, portanto nossa responsabilidade é dedicar um tempo e atenção na prática regular de uma modalidade a qual mais traz benefícios a rotina de vida.
A profissional pontua ainda que são muitos e vistos de várias formas os benefícios que a prática regular de exercício traz ao corpo. “O exercício ajuda a diminuir e controlar o peso, diminui o risco de doenças no coração, pressão alta, osteoporose, diabetes e obesidade, melhora os níveis de colesterol sanguíneo, aumenta as taxas do bom colesterol, aumenta a resistência muscular. Além disso, traz bem-estar mental, ajuda a prevenir a depressão, alivia o estresse e a ansiedade, combate a insônia e ajuda na produção de serotonina, o hormônio do bem-estar”, informa Ana, salientando que no HSVP a prática de exercícios é motivada através de corridas e caminhadas promovidas ao longo do ano e também, com a orientação da prática para os funcionários através de treinamentos específicos, ginástica laboral, reabilitação no Ambulatório de Fisioterapia e da disponibilidade de academia.

Aliada do corpo e da mente

Além de fazer bem para o corpo, conforme a psicóloga Renata Bertoglio Zanetti Sabadin, do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) do HSVP, a prática da atividade física também está aliada ao bem-estar mental. “Estudos realizados sugerem que exercícios, principalmente os aeróbios, auxiliam na preservação da memória, na qualidade do sono, no humor, diminuem os níveis de estresse, combatem as doenças ligadas ao envelhecimento e ainda ajudam a controlar os sintomas de depressão e ansiedade, tanto em pacientes com algum transtorno psiquiátrico, quanto na população em geral. Os estudos também indicam que a prática de atividade física fortalece o sistema imunológico, diminui a dor crônica e melhora a atenção e concentração”, explica a psicóloga, ressaltando ainda que a noradrenalina e a serotonina, também responsáveis pelo equilíbrio do humor,são estabilizadas a partir da atividade física. “Não se pode deixar de citar também os benefícios proporcionados pela melhora estética, como a autoconfiança e a autoestima.Praticar um exercício também traz um importante fator social pela convivência com outras pessoas, combatendo tendências de isolamento e proporcionando integração social”.

Quero me exercitar, como começar?

Para iniciar uma atividade física e manter a motivação, Renata salienta que é importante escolher uma atividade que se torne satisfatória e prazerosa para a pessoa. “Manter o foco nos objetivos para ter persistência e disciplina é fundamental. Ao iniciar uma atividade física tem-se uma motivação inicial, mas ter altos e baixos na disposição é muito normal. Porém é a persistência que leva ao hábito”, orienta. Em relação as quais atividades para começar Ana destaca que todas as tentativas e modalidades são válidas, bem como praticar estas em grupo, em família, ou até com animais de estimação em uma leva caminhada. “Todas as estações e momentos terão as ''modas'', exercícios que viram uma ''febre do momento'', então é necessário cautela. As individualidades quanto a profissão, idade e habilidades devem ser levadas em conta, além do desejo, recompensa que se busca. Certamente a caminhada e reforço muscular são os mais indicados, mas como o grande aliado a perda de peso, manutenção do stress e relaxamento, o exercício aeróbico atua muito bem”, salienta a fisioterapeuta, reiterando que procurar um profissional específico para auxiliar na prática dos exercícios também é importante.
Junto com a força de vontade e o exercício correto, a alimentação também deve ser uma aliada para a prática de exercícios físicos. A nutricionista do HSVP, Tatiane Basso explica que uma alimentação desbalanceada, muitas vezes com restrição no consumo de carboidratos ao longo do dia, pode levar o indivíduo a não possuir energia suficiente para desempenhar as atividades. “O consumo de gorduras e proteínas em excesso pouco antes do exercício também prejudicam a performance, pois estes possuem uma digestão mais lenta, diminuindo o esvaziamento gástrico e podendo causar desconforto durante a prática. Existe a possibilidade da utilização de proteínas hidrolisadas no pré-treino, ou seja, proteínas que possuem uma digestão mais facilitada, mas esta suplementação deve sempre sob orientação de um nutricionista habilitado. A ingestão exagerada de fibras também pode levar a distensão abdominal, gases, dores e pior desempenho físico”, enfatiza a especialista.

Alimentação adequada e exercício físico: combinação perfeita

A alimentação pré e pós treino é muito importante para o desempenho do praticante, porém a alimentação do dia todo e até mesmo do dia anterior influencia neste aspecto. Tatiane relata que a alimentação antes do exercício físico vai depender do tempo de duração e também do horário que ela será consumida. Por exemplo, se você se alimentar imediatamente antes do treino, é interessante que consuma somente fontes de carboidratos, como banana com aveia, por exemplo. Se o tempo de alimentação pré-treino for maior do que 1 hora e 30 minutos, já é possível fazer uma refeição mais elaborada, com o consumo de proteínas gorduras, carboidratos e fibras. “No pós-treino, de forma geral, uma refeição completa, como um prato de arroz integral, feijão, peito de frango grelhado, folhas verdes e legumes podem ser uma boa pedida. Ressalto também a importância da individualidade de fatores físicos, idade, gênero, metas nutricionais que podem ser para perda de peso, manutenção ou hipertrofia muscular. Nestes casos, somente um profissional habilitado poderá ajustar sua alimentação”.
Quanto aos alimentos aliados da atividade física, a nutricionista evidência que o consumo alimentar equilibrado, de acordo com as nossas necessidades de carboidratos, gorduras, proteínas, fibras, vitaminas e minerais são fundamentais. “Podemos destacar alguns nutrientes, como a proteína por exemplo, que deve ter seu consumo atendido preferencialmente com fontes proteicas de alto valor biológico como carne bovina magra, frango, peixe e ovos. Alguns minerais como o cálcio que atua na contração muscular, e a vitamina C que auxilia no controle de radicais livres, causados pelo exercício, também recebem um papel de destaque. A água deve receber um papel de destaque também, hidratar-se de forma adequada é fundamental”, afirma Tatiane,  indicando que é importante consultar um profissional nutricionista para orientar sobre a alimentação para os objetivos e necessidades de cada um.

Gostou? Compartilhe