Embolização de artéria prostática realizado no HC

Intervenção minimamente invasiva é utilizada para o tratamento da Hiperplasia Prostática Benigna

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O primeiro procedimento de embolização de artéria prostática no Hospital de Clínicas de Passo Fundo foi realizado no início de abril através da equipe do Instituto Vascular de Passo Fundo – INVASC e equipe do Serviço Avançado de Urologia – SAU, membros do corpo clínico do HC. Esta técnica é utilizada como alternativa para o tratamento da hiperplasia prostática benigna, doença caracterizada pelo crescimento da próstata, comprometendo a passagem da urina pela uretra. O cirurgião endovascular e radiologista intervencionista Dr. Mateus Picada Corrêa destaca que o procedimento é considerado de vanguarda e ainda é realizado em poucos centros de saúde no Brasil. "A embolização de artéria prostática é uma opção moderna para o tratamento da Hiperplasia Prostática Benigna. Por uma punção no punho ou na virilha, fazemos um cateterismo e interrompemos a circulação da próstata. Ela diminui de tamanho e o paciente consegue urinar melhor.” explica. A embolização de artéria prostática é considerada um método minimamente invasivo, realizado sob anestesia local e que proporciona uma recuperação mais rápida do que os procedimentos tradicionais, em muitos casos sem a necessidade de internação hospitalar por longos períodos.

 

Indicação 
A busca constante pela qualificação da equipe e inovação é fundamental para que o procedimento seja oferecido, pois são necessários títulos de especialização específicos para a realização da técnica inovadora. “O procedimento é indicado para pacientes que não podem ser operados, para os que têm próstatas muito grandes ou que não queiram ser submetidos a uma cirurgia convencional ou tomar um remédio por longo tempo. Os pacientes devem conversar com o seu urologista sobre qual a melhor opção para o seu tratamento”, salienta Dr. Mateus.

 

Qualidade de vida
O médico urologista do corpo clínico do HC, Dr. Cláudio Morales, esclarece que o aumento benigno da próstata (hiperplasia) é uma condição considerada comum, sua incidência aumenta a partir dos 50 anos, atingido cerca de 25% dos homens. “A hiperplasia prostática benigna não é um tipo de câncer e também não aumenta as chances de desenvolvimento de tumores. Entretanto, a glândula da próstata pode crescer bastante a ponto de pressionar a uretra e dificultar a passagem da urina. Esta retenção urinária pode gerar infecções urinárias ou generalizadas ou até mesmo causar paralisação dos rins. Além disso, o jato de urina pode ficar mais fraco ou o homem pode sentir dificuldade para esvaziar a bexiga.” explica o urologista. Os sintomas da doença interferem diretamente na qualidade de vida do paciente, podendo prejudicar as atividades da rotina diária. “Para prevenir a hiperplasia prostática benigna, após os 40 anos de idade os homens devem procurar um urologista para averiguar se está tudo bem com a saúde, além da realização de exames de rotinas anuais, mesmo sem a apresentação de sintomas”, orienta. 

Gostou? Compartilhe