Tratamento de Câncer Renal por Radiofrequência é realizado no HSVP

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Aliar tecnologia ao conhecimento técnico-científico, cada vez mais vem trazendo resultados positivos na medicina. O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, tem em sua missão o pioneirismo, e através disso, busca inovar e oferecer sempre o melhor para os pacientes. Neste mês de janeiro, mais uma vez o hospital, através dos médicos Dr. Douglas Pedroso, Urologista e Dr. Guilherme Araújo Radiologista Intervencionista, mostrou essa capacidade, ao realizar um tratamento de Câncer Renal com Radiofrequência, pela primeira vez no interior do estado. O paciente Honório Adelmo Meinhardt, 57 anos, de Concórdia, Santa Catarina realizou o procedimento no dia 20 de janeiro e após dois dias já recebeu a alta hospitalar, sendo que em duas semanas pode retomar suas atividades profissionais e atividades físicas.

A técnica de ablação de tumores por radiofrequência representa um grande avanço da medicina nos últimos tempos, no que diz respeito ao tratamento oncológico. O procedimento consiste na inserção de uma fina agulha pela pele do paciente, que é avançada lentamente no interior de seu corpo, até alcançar o tumor no rim. Conforme os especialistas Drs Pedroso e Gomes, a técnica é realizada com o auxílio da Tomografia Computadorizada (TC), que atualmente contribui para o tratamento das massas renais através da radio ablação guiada pela TC. “Primeiro se faz uma biopsia com agulha, para confirmação do diagnóstico. Após, ainda guiada pela tomografia, se introduz uma agulha, que é localizada e visualizada a todo momento, desde quando penetra na pele até atingir o tumor. As imagens obtidas pela TC são de fundamental importância para o posicionamento final da agulha, que após acionada emite outros filamentos que se abrem em forma de roseta, estendendo-se por toda circunferência do tumor. A partir daí, a agulha é conectada a um aparelho que emite uma corrente elétrica alternada, aquecendo apenas os filamentos abertos no interior do tumor até aproximadamente 120C, determinando a sua destruição completa”, explicam os especialistas.

Este método é seguro e eficaz em 100% dos tumores de até 3,7 cm. O procedimento completo dura geralmente cerca 40 minutos, sendo 30 minutos para o posicionamento da agulha e 10 minutos apenas para a ablação, aquecimento e destruição do tumor. “Outra vantagem da técnica é o fato de não necessitar de anestesia geral, podendo ser realizado apenas a sedação do paciente, reduzindo assim os riscos anestésicos. O paciente fica em observação por 24 horas e não há necessidade de analgésicos e nem antibióticos após o procedimento”, relatam os Drs. Pedroso e Gomes, enaltecendo ainda que o paciente pode retornar precocemente as suas atividades laborais. “Este tratamento pode ser realizado novamente inclusive em casos de recidiva do tumor com muito sucesso, e complicações relevantes são bastante raras. A técnica pode também ser utiliza para o tratamento tumores do fígado e do pulmão”,completam.

Tratamento eficaz e recuperação rápida

Em exames de rotina, o caminhoneiro de Concórdia, Honório Adelmo Meinhardt, de 57 anos descobriu um tumor no rim. Ele relata que no início ficou bastante preocupado mas após fazer a consulta e ver que havia tratamento para o problema, tranquilizou-se. “O Dr. Douglas e sua equipe me passaram segurança, fiquei confiante de que faria o procedimento e sairia bem. Parece um milagre, em menos de três meses, eu descobri, fiz os exames, realizei o procedimento e já estou indo para casa bem”, comenta. Honório realizou o procedimento no dia 20 de janeiro e na sexta-feira, 22 de janeiro pela manhã já recebeu alta. “Nunca imaginei que seria tão tranquilo. Não senti dor antes e nem depois do procedimento. Estou bem e daqui 15 dias já posso voltar a trabalhar”, relata o paciente.

Gostou? Compartilhe