Treinamento sobre esterilização qualifica profissionais

O HSVP mantém protocolos estabelecidos pela ANVISA na CME, que são fundamentais para a segurança do paciente

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O programa de educação continuada do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo contempla inúmeros treinamentos e palestras, com o intuito de qualificar e atualizar a prática profissional dos funcionários. Na última semana foi a vez da Central de Materiais Esterilizados (CME) participar do treinamento que abordou o tema “Os desafios na limpeza e de materiais na CME para garantir eficácia no reprocessamento”, ministrado pela consultora em CME e vice presidente da Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização (Sobecc), Ligia Garrido Calicchio.
A especialista ressaltou que um dos principais objetivos do encontro foi demonstrar a importância do processo de limpeza, que é fundamental no processamento dos materiais. “A limpeza é o primeiro passo, pois se não for feita com qualidade compromete os processos de esterilização ou desinfecção que realizamos na CME”, apontou Ligia. A consultora destacou ainda que além dos procedimentos operacionais padrão, os POPs, a CME também tem que disponibilizar materiais e equipamentos específicos para garantir a qualidade. “Dentro desses procedimentos, sejam eles uma limpeza manual ou automatizada, é preciso ter um processo muito bem definido, padronizado e reprodutivo”, enalteceu.
O HSVP mantém protocolos estabelecidos pela ANVISA na CME, que são fundamentais para a segurança do paciente. “Enfatizamos para os técnicos de enfermagem e profissionais que atuam na CME que eles são fundamentais dentro da instituição. Mesmo o processo sendo indireto, eles são importantes para a assistência aos pacientes, e isso também representa um cuidado”, enfatizou Ligia, reforçando ainda que esses profissionais precisam ser qualificados além, de gostar do trabalho com materiais.
A enfermeira e chefe da CME, Nara Lúcia de Castro Fauth, evidenciou as trocas de experiências e os novos conhecimentos adquiridos com o treinamento. “Essa educação continuada nos traz grandes riquezas, onde podemos revisar processos, fazer melhorias, trocas e principalmente, nos últimos anos vemos que ela tem um valor muito importante na requalificação in loco”, avaliou Nara, salientando que o maior beneficiado de tudo isso é o paciente. “O aprendizado, a melhora nos processos beneficia o paciente, trazendo mais segurança e qualidade no atendimento. Nós, como hospital de referência, temos esse compromisso, de sempre atualizar e buscar a melhor forma de fazer os processos.

Gostou? Compartilhe