LACEN: Novo equipamento melhora qualidade e acelera testes de Covid-19

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ONDivulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Laboratório Central do Estado (Lacen-RS) conta com um novo equipamento para exames de biologia molecular que detectam o coronavírus. Por meio de comodato com o Ministério da Saúde, o Estado tem agora um extrator automatizado, que substitui parte do processo realizado de forma manual.

Com o aparelho, o Lacen terá mais qualidade a agilidade na liberação das cerca de 400 análises feitas por dia. Atualmente, 95% das amostras recebidas no laboratório têm resultados em até três dias. Foram realizados cerca de 60 mil testes desde o início da pandemia.

O extrator é utilizado em uma das etapas iniciais da testagem das amostras das secreções de vias aéreas de casos suspeitos. Esse material biológico é preparado e levado ao aparelho para que seja extraído o RNA (material genético) do vírus.

A bióloga Ludmila Baethgen, do setor de virologia do Lacen, explica que o processo de extração é realizado após o recebimento e fracionamento das amostras. “No equipamento, precisamos que as células sejam rompidas, expondo o material genético do vírus”, descreve.

Para isso, o equipamento realiza uma sequência de reações químicas, mecânicas e com o controle de temperatura. “São utilizadas pequenas partículas esféricas de metal, que conseguem, de forma magnética, se prender ao RNA, descartando o material ‘sujo’, que seriam todos os restos celulares e outras substâncias que não interessam para o exame”, detalha.

Até o início deste mês, esses passos eram realizados de forma manual. “O extrator nos beneficia por, em um menor tempo, fazer um número maior de exames. O que manualmente levaríamos três horas e meia para preparar cem amostras, com o equipamento conseguimos fazer em até uma hora e quinze minutos”, completa.

Depois dessa etapa, as amostras são encaminhadas para um segundo equipamento, chamado de termociclador em tempo real (RT-PCR), que é o que faz a detecção e identificação do vírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19.

Gostou? Compartilhe