Ministério da Saúde e governo do Estado debatem estratégia de imunização contra Covid-19

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em visita à Secretaria da Saúde (SES), na manhã desta quinta-feira (1/10), o secretário executivo adjunto do Ministério da Saúde (MS), Jorge Kormann, esclareceu as estratégias adotadas pelo governo federal para imunização da população brasileira contra a Covid-19.

Segundo Kormann, os recursos investidos até agora não se resumem à compra de doses, até porque a vacina ainda não está à venda. O governo federal está investindo na pesquisa internacional para a produção da vacina, com uma reserva inicial de 50 milhões de doses. Paralelamente, o ministério está capacitando os laboratórios do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e do Instituto Butantan, em São Paulo, para a produção de doses nessas unidades.


A estratégia é fortalecer e modernizar esses laboratórios para, quando houver uma fórmula segura e eficaz, a vacina poder ser fabricada no Brasil. “Há notícias de unidades federativas estarem comprando vacina contra a Covid, mas ela ainda nem mesmo existe. O que existe é investimento na ciência”, esclareceu Kormann.

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, elogiou a postura do ministério e informou que o Rio Grande do Sul acompanhará as decisões da pasta na questão da vacina. “O Programa Nacional de Imunizações é de competência do Ministério da Saúde, que define diretrizes e proporciona os insumos aos Estados e municípios”, reforçou a secretária. "Por este motivo, não cabe ao Rio Grande do Sul realizar compras de vacinas." Kormann ainda pontuou que, quando houver a vacina da Covid-19, a distribuição seguirá a mesma lógica usada no caso do vírus da gripe H1N1.

Kormann elogiou o trabalho realizado no Estado frente à pandemia da Covid-19. “A transparência dos dados dos recursos financeiros e materiais investidos e repassados pela gestão do governador Eduardo Leite e da secretária Arita nos passa confiança e nos motiva a trabalharmos juntos, investindo mais no Estado”, concluiu o secretário executivo.

Durante a reunião, que teve como pauta principal o estreitamento de relações entre a nova gestão do Ministério da Saúde e a Secretaria da Saúde, Kormann e a equipe diretiva da SES debateram diversos assuntos relacionados ao período pós-pandemia. “Este ano, precisamos correr atrás para lidar com uma crise e praticar planos de contingência, mas o momento a partir de agora será para voltar nossa atenção ao fortalecimento da Atenção Básica da Saúde, com foco em prevenção, cuidado e vigilância”, ressaltou Arita. “As políticas públicas precisam ser transversais, com foco nos diversos aspectos da saúde dos cidadãos, de forma a proporcionar qualidade de vida e não ser apenas assistencial.”

Foram tratadas políticas e diretrizes para as populações vulneráveis, como pessoas privadas de liberdade e povos indígenas, integração de sistema de dados da Saúde, permanência de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) criados durante a pandemia e recursos para tratamentos oncológicos em lugares de difícil acesso do Estado, entre outros assuntos e sugestões que serão levados ao ministro Eduardo Pazuello.

Também participaram da reunião o diretor do Departamento de Gestão Interfederativa e Participativa do Ministério da Saúde, Reginaldo Machado, e o superintendente estadual do Ministério da Saúde, Renato Altmann.


Gostou? Compartilhe