CREMERS: Médicos enfrentam a pandemia com solidariedade

Presidente do Cremers diz que houve muito aprendizado, união e que a telemedicina não substitui o atendimento presencial

Por
· 3 min de leitura
Presidente do Cremers, Carlos Isaia Filho (Foto: Divulgação/Cremers) Presidente do Cremers, Carlos Isaia Filho (Foto: Divulgação/Cremers)
Presidente do Cremers, Carlos Isaia Filho (Foto: Divulgação/Cremers)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Dia do Médico de 2020 tem um significado todo especial. A pandemia do coronavírus destacou sobremaneira o papel destes profissionais da área da saúde. Sem vacina e sem medicação adequada, a Covid-19 continua a assombrar a humanidade. Os médicos, ao lado de outros profissionais da área de saúde, representam a linha de frente de combate a esta doença. Muitas lições são tiradas deste momento. A solidariedade, o aprendizado e os novos desafios são pontos abordados pelo presidente do Conselho Regional de Medicina do RS (Cremers), Carlos Isaia Filho.


Gestão S.A - Como o senhor descreve este momento de pandemia vivenciado por profissionais da saúde, especialmente médicos que estão na linha de frente?

Dr. Carlos Isaia Filho - Esse foi um momento de solidariedade. Entre médicos e população e entre médicos de diferentes especialidades. Uma união muito grande da classe médica frente ao desconhecido. A cada dia, a pandemia exigiu novas condutas, novos tratamentos experimentais, ou seja, uma força-tarefa que envolveu médicos, cientistas e profissionais de saúde na busca por oferecer maior conforto aos pacientes e, principalmente, salvar vidas. Diante desse contexto, todos os profissionais de saúde mostraram uma solidariedade muito grande.


Gestão S.A. - Quais são os maiores desafios no pós-pandemia?

Dr. Carlos Isaia Filho - O grande desafio será dar um bom atendimento aos casos que não puderam ser atendidos durante a pandemia. São pacientes que, por medo da pandemia, não buscaram consultórios, clínicas e hospitais. A tarefa agora e daqui para a frente, que envolve todas as especialidades médicas, é ter condições de atender com qualidade esses pacientes que deverão buscar revisões e tratamentos médicos.


Gestão S.A. -  Diante do atual contexto, que lições ficam para os veteranos e para os novos profissionais que estão recém entrando no mercado?

Dr. Carlos Isaia Filho - O médico está sempre se atualizando. Por mais atualizado que ele esteja, na busca de novas informações, diagnósticos e tratamentos, de repente, aparece um vírus, do qual não se tinha qualquer tipo de conhecimento, e nos mostra que, por melhor que seja nosso conhecimento técnico, ainda estamos sujeitos a novas questões, a novas patologias, a novos diagnósticos e, principalmente, à busca de novos tratamentos.


Gestão S.A. -  A Telemedicina veio para ficar?

Dr. Carlos Isaia Filho - A Telemedicina está sendo uma solução emergencial. Os médicos, e os próprios Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) e o Conselho Federal de Medicina (CFM), estão em uma fase de avaliação e de normatização da Telemedicina. A pandemia começou exatamente na fase em que a classe médica, por meio de seus CRMs, estudava e avaliava a melhor forma de normatizar a Telemedicina no Brasil. Como a pandemia exigiu uma situação emergencial, o CFM autorizou o seu uso, que ainda não está regulado. É difícil afirmar se a Telemedicina veio para ficar. Entendemos que, em uma situação de emergência como uma pandemia, ela é útil, sob o ponto de vista emergencial e paliativo. Passada a pandemia, certamente teremos melhores condições de avaliar a Telemedicina e identificar a melhor forma de equacionar e normatizar essa prática dentro da classe médica. Ainda não se pode dizer que seja uma prática médica e, sim, uma prática emergencial.


Gestão S.A. -  Como manter um atendimento humanizado, diante das tecnologias como a Telemedicina, que tiveram seu uso acelerado durante a pandemia?

Dr. Carlos Isaia Filho - O médico deve realizar um atendimento humanizado em qualquer situação. A relação médico-paciente é, sem dúvida, a melhor forma de atendimento humanizado. Na Telemedicina se perde um pouco desse contato olho a olho, a presença... Isso pode ser um pouco prejudicado. Mas, sem dúvida, em qualquer situação, deve se prezar, sempre, que esse atendimento seja o mais humanizado possível.


Gestão S.A. -  A desinformação na era digital: como os profissionais devem enfrentar este que é um problema mundial?

Dr. Carlos Isaia Filho - A desinformação na era digital é um conceito que não vemos na prática. Vemos os pacientes chegarem até nós com uma suspeita diagnóstica que é motivada por consultas em meios digitais e geram dois, três ou mais diagnósticos. Isso permite ao médico conversar com o paciente, fazer o seu diagnóstico, e, depois, cotejar o seu diagnóstico com aqueles que o paciente traz. Particularmente, sendo um profissional com mais de 40 anos de atividade clínica, acredito que a era digital permite maior conhecimento do paciente e melhor diálogo com o paciente. Além disso, cada vez mais, torna a informação médica mais aprimorada e mais ampla e, consequentemente, traz mais tranquilidade ao paciente.


Para conferir essa entrevista e todas as matérias do caderno Gestão S.A. você pode acessar /jornal-digital/2020-10-16,2809

Gostou? Compartilhe