Sociedade de Pediatria pede que pais mantenham calendário de vacinação em dia

Queda nas coberturas vacinais que já vinha ocorrendo nos últimos anos, agravou-se com o cenário provocado em 2020 pela pandemia do coronavírus

Por
· 2 min de leitura
É fundamental respeitar os prazos e períodos estabelecidos pelos médicos para realização da imunização (Foto – Agência Brasil-EBC)É fundamental respeitar os prazos e períodos estabelecidos pelos médicos para realização da imunização (Foto – Agência Brasil-EBC)
É fundamental respeitar os prazos e períodos estabelecidos pelos médicos para realização da imunização (Foto – Agência Brasil-EBC)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul reforça o alerta, no momento em que é lançada uma nova campanha pelo Governo Federal para retomar a mobilização pela vacinação infantil. O Movimento Vacina Brasil tem como objetivo incentivar que os pais busquem os postos de saúde para colocarem a carteira de vacinação em dia. O médico lembra que é fundamental respeitar os prazos e períodos estabelecidos pelos médicos para realização da imunização. “A faixa etária da infância é considerada um grupo extremamente vulnerável a doenças infecciosas principalmente no primeiro ano de vida. A partir do momento que é feita a proteção individual e consegue-se altos níveis de coberturas vacinais, obtém-se a proteção coletiva. Muitas vezes ao vacinar uma faixa etária, tem-se a imunidade em rebanho que é a proteção de outras pessoas que não receberam vacina. Além disso, a partir de uma cobertura, por exemplo, esperada para o sarampo de 95% é muito pouco provável que a doença circule”, afirma o membro do Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Juarez Cunha.


Sarampo

O médico reforça que a vacina do sarampo que é de vírus vivo atenuado, por exemplo, não pode ser aplicada em crianças imunodeprimidas por uma série de razões que pode ser tratamento com medicamentos de câncer ou que estejam sendo submetidas à quimioterapia. “Se tivermos uma alta cobertura vacinal no restante da população, estaremos protegendo estas que não podem receber a imunização. O que gostaríamos em termos de prevenção e promoção da saúde é incentivar a proteção da coletividade. Vacinar é um ato de cidadania e de amor, não só pensando em si, mas no outro também”, completa Juarez.


Anticorpos

Em relação aos reforços é preciso lembrar que há um motivo para isso. “Em vacina contra tétano, difteria e coqueluche, por exemplo, se faz uma dose adicional porque os anticorpos vão caindo com o tempo e é preciso estimular novamente para que o organismo esteja com as defesas prontas para agir. Não são todas vacinas que possuem reforços, mas as que têm precisam ser obedecidas”. O papel das vacinas é fundamental para impedir que voltem a ocorrer casos de doença que já estão controladas no país. O médico cita que a varíola é a única doença, atualmente, erradicada. O sarampo foi eliminado, retornando a partir de 2018. Febre amarela é outra doença que estava controlada e desde 2016 há surtos. A Poliomelite é uma doença com elevado risco porque está presente em alguns países do mundo e nossas coberturas em determinadas regiões estão com menos de 50% de cobertura vacinal e se não houver um foco para manutenção das imunizações, há risco dela retornar.

Gostou? Compartilhe