Coronavac tem 78% de eficácia para casos leves e Butantan solicita registro emergencial

Anúncio foi realizado nesta quinta-feira (07)

Por
· 1 min de leitura
Mais de 10,8 milhões de doses ja estão no país (Foto: Instituto Butantan/Divulgação)Mais de 10,8 milhões de doses ja estão no país (Foto: Instituto Butantan/Divulgação)
Mais de 10,8 milhões de doses ja estão no país (Foto: Instituto Butantan/Divulgação)
Você prefere ouvir essa matéria?

Os resultados da vacina Coronavac foram divulgados nesta quinta-feira (7). O Governo de São Paulo e o Insituto Butantan confirmaram que a vacina contra o coronavírus desenvolvida em parceria com a biofarmacêutica Sinovac Life Science atingiu índice de eficácia de 100% para casos graves e moderados. O estudo clínico realizado no Brasil contou com a participação de 12,4 mil profissionais de saúde voluntários em 16 centros de pesquisa.

Entre os imunizados ao longo dos testes clínicos e que contraíram o vírus, nenhum apresentou caso grave ou moderado da doença nem precisou de internação.

A taxa de eficácia foi de 78% para os infectados que apresentaram casos leves ou precisaram de atendimento ambulatorial. Isso significa que a cada cem voluntários que contraíram o vírus, somente 22 tiveram apenas sintomas leves, mas sem a necessidade de internação hospitalar.

“Hoje é um dia muito importante para o Brasil, os brasileiros, a saúde e a vida. A vacina do Instituto Butantan tem eficácia de 78% a 100% contra a COVID-19, apontam os estudos no Brasil”, afirmou o Governador João Doria.

Com os índices atingidos na pesquisa, o Butantan deu início nesta quinta à solicitação do registro emergencial da vacina junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“A vacina mostrou 100% de eficácia contra casos graves e moderados. Não houve nenhum caso grave de COVID-19 entre os voluntários imunizados com a vacina do Butantan”, explicou o diretor da instituição, Dimas Tadeu Covas.

Covas destacou que a pesquisa realizada no Brasil foi a prova mais dura e complexa já realizada no mundo para uma vacina contra o coronavírus e o estudo mais detalhado já apresentado. Por serem profissionais da área da saúde, todos os 12,4 mil voluntários tiveram risco muito maior de infecção, pois estavam na linha de frente da assistência prestada a pacientes contaminados.

A parceria entre o Butantan e o laboratório da China é desenvolvida desde o dia 10 de junho. Atualmente, 10,8 milhões de doses já estão em solo nacional, de acordo com Dimas Covas.

Gostou? Compartilhe