Secretaria da Saúde busca ampliar índices de vacinação contra a gripe em idosos na última semana da campanha

Campanha está prevista para terminar na sexta-feira, dia 9 de julho

Por
· 1 min de leitura
Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini
Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini
Você prefere ouvir essa matéria?

Com a meta de vacinar 90% dos idosos contra a influenza, a Campanha de Vacinação contra a Gripe, iniciada em 12 de abril, alcaçou 56,4% desse grupo prioritário, proporção que equivale a 1.209.178 idosos do total de 2.143.707 de pessoas acima dos 60 anos no Rio Grande do Sul.

A campanha está prevista para terminar na sexta-feira (9/7), e a Secretaria da Saúde (SES) aposta na mobilização da sociedade para avançar na imunização desse público, que preocupa especialistas e gestores de saúde por apresentar um sistema imunológico com anticorpos já não tão efetivos.

“A vacina estimula o sistema imunológico para que seja mais eficiente ao combater o vírus”, afirma o médico João Singer, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia do Rio Grande do Sul em entrevista à Agência EstadoRS. Acrescenta que as pessoas precisam tomar vacina todos os anos porque o vírus muda com o surgimento de novas cepas. “É fundamental que os idosos se vacinem. Principalmente porque estamos tendo um inverno muito rigoroso e passando ainda pela pandemia de coronavírus, o que já ocasiona um impacto muito grande no sistema de saúde”, informa o médico.

“Faço um apelo aos idosos para fazerem a vacina da gripe. Ela é segura, não tem efeitos colaterais. Nós, geriatras, aprovamos e indicamos porque é um fator de proteção importante. Muitas vezes, um quadro gripal pode agravar os sintomas de outras doenças existentes como diabetes, insuficiência cardíaca ou levar a uma pneumonia, situações que muitas vezes podem ser fatais”, alerta.

Joana Finkelstein Veras, que integra a Política de Saúde da Pessoa Idosa da Secretaria da Saúde (SES) considera de “extrema importância que a população idosa com capacidade de locomoção se dirija aos locais de vacinação em seus respectivos municípios nestes últimos dias de campanha”.

Até o dia 9 de julho, a Atenção Primária em Saúde, por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBS) deverá estar empenhada em garantir cobertura vacinal para esse público, incluindo os domiciliados, institucionalizados ou com dificuldades de locomoção.

Joana avalia que “em tempos de pandemia, o público-alvo estando protegido garante que um número menor de pessoas precise de recursos hospitalares, ajudando o sistema de saúde a reservar esforços para o combate à covid-19”.

Onde se imunizar

A vacina contra a gripe é aplicada nas UBS. Neste ano, a campanha é paralela à campanha de vacinação contra a Covid-19. A orientação é que deve ser respeitado o intervalo mínimo de 14 dias entre a aplicação das duas vacinas.

Pessoas que fazem parte de grupos prioritários em que a data das etapas já passaram ainda podem se vacinar contra a influenza.


Gostou? Compartilhe