Passo Fundo irá receber 1.692 doses de vacinas contra Covid-19 para primeira aplicação

O estado também irá distribuir seringas de 1ml, necessárias para aplicação de doses da Pfizer

Por
· 1 min de leitura
As doses chegaram quarta-feira (04) no estado (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)As doses chegaram quarta-feira (04) no estado (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)
As doses chegaram quarta-feira (04) no estado (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)
Você prefere ouvir essa matéria?

Novas doses das vacinas CoronaVac e Pfizer serão distribuídas amanhã (06) às 18 coordenadorias regionais de saúde (CRS). As doses chegaram ao Estado na quarta-feira (4). Para Passo Fundo foram destinadas 1.692 doses de um dos imunizantes. Também serão distribuídas seringas de 1ml, necessárias para aplicação de doses da Pfizer.

A orientação é de que as doses sejam utilizados para avançar na faixa etária da campanha de vacinação. Elas também servirão para alcançar até 70% de todos os ajustes necessários para equalizar eventuais diferenças na distribuição de doses entre os municípios, de acordo com o governo estadual.

Todas as vacinas da Pfizer distribuídas no estado serão destinadas para a primeira aplicação (D1). As das CoronaVac serão utilizadas tanto para D1 como para reserva da segunda dose (D2). Para essa remessa, todo o transporte será por via terrestre.

Passo Fundo retomará a aplicação de primeiras doses amanhã (06) para pessoas com 30 anos completos ou mais, entre outros grupos.

“O avanço da vacinação é o que realmente vai assegurar a quebra das cadeias de transmissão do vírus, mantendo baixos os índices de casos e óbitos por Covid-19 e garantindo que não haja formações de novas variantes. Só assim poderemos voltar à situação de normalidade. O que precisamos é que a população busque a vacina, não apenas a primeira dose, mas complete a imunização”, disse a chefe da Divisão de Vigilância em Saúde, Tani Ranieri.

Ajustes na distribuição 

Levantamento feito pela Secretaria da Saúde (SES) busca corrigir eventuais distorções na distribuição de doses das vacinas contra a Covid-19. “Trabalhamos com estimativas populacionais que, muitas vezes, não correspondem, na vida real, à população que se vacina efetivamente em cada cidade. Queremos seguir distribuindo as vacinas da forma mais equânime e uniforme possível, levando em consideração, por exemplo, a maior população que municípios do Litoral recebem no verão e da Serra no inverno”, explicou a diretora do Cevs, Cynthia Molina Bastos.

Gostou? Compartilhe