Ministério distribui vacinas para completar vacinação com primeira dose de adultos

O foco agora passa para a distribuição de vacinas para adolescentes com comorbidades e para a dose de reforço

Por
· 1 min de leitura
Ministros participaram do envio do último lote para primeira dose de adultos (Foto: Divulgação/MS)Ministros participaram do envio do último lote para primeira dose de adultos (Foto: Divulgação/MS)
Ministros participaram do envio do último lote para primeira dose de adultos (Foto: Divulgação/MS)
Você prefere ouvir essa matéria?

O Ministério da Saúde realizou hoje (15) o envio 1,1 milhão de doses contra a Covid-19, concluindo o envio de imunizantes para vacinar, com a primeira dose, toda a população acima de 18 anos. O país já distribuiu 265 milhões de doses e mais de 210 milhões de brasileiros já foram vacinados, sendo que 88% da população acima de 18 anos está vacinada com uma dose e 50% com as duas doses. Os números foram atingidos nove meses após o início da campanha.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou da entrega e elogiou o Programa Nacional de Imunização (PNI), considerando um sucesso a campanha no Brasil. "Hoje o Brasil já tem mais de 550 milhões de vacinas contratadas”, disse Queiroga. Ele ainda disse o país tem um "excesso de vacina".

Ainda de acordo com o ministro, todos os brasileiros estarão vacinados até o final de 2021 e todos os estados e municípios devem seguir as recomendações técnicas do programa. "É a fórmula para que tenhamos sucesso na campanha. Já estamos tendo sucesso. Já reduzimos de maneira drástica o número de casos e de óbitos", disse Queiroga.

Próximos envios

Após finalizar o envio de primeiras doses para adultos, o Ministério da Saúde começa a enviar vacinas para imunizar adolescentes, entre 12 e 17 anos, com comorbidades.

Além disso, a pasta também começa o envio das doses para o reforço entre os grupos prioritários, preferencialmente com a vacina da Pfizer. O reforço para idosos acima de 70 anos deve ocorrer seis meses após a segunda dose ou a dose única e as pessoas imunossuprimidas devem respeitar o intervalo de 28 dias após a segunda dose ou dose única. A redução do intervalo da Pfizer, de 12 para 8 semanas, também está previsto a partir de agora.

Gostou? Compartilhe