Ministro diz que foram identificados eventos adversos da vacinação em adolescentes

Todos os casos foram de grau leve e um caso de morte ainda está sendo investigado para avaliar se a causa foi o imunizante

Por
· 1 min de leitura
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que uma série de motivos pesaram a revisão da recomendação (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que uma série de motivos pesaram a revisão da recomendação (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que uma série de motivos pesaram a revisão da recomendação (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Você prefere ouvir essa matéria?

Após a recomendação da suspenção da vacinação de adolescentes sem comorbidades, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga realizou uma coletiva de imprensa para explicar a decisão.

Segundo Queiroga, foram identificados 1,5 mil eventos adversos em adolescentes imunizados. Todos eles foram de grau leve. Foi notificado um caso de morte de um jovem em São Paulo, mas o episódio ainda está sendo investigado para avaliar se a causa foi o imunizante ou não.

O ministro reclamou que, a despeito da orientação anterior para que a imunização deste público tivesse início ontem (15), já foram vacinados 3,5 milhões de adolescentes por autoridades locais de saúde.

Ele acrescentou que houve diversos casos de prefeituras que aplicaram vacinas não autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência só permitiu o uso da Pfizer/BioNTech para adolescentes de 12 a 17 anos. Nos registros do Ministério da Saúde, entretanto, dados enviados pelos estados mostram este público sendo imunizado com outras vacinas.

“Em relação aos subgrupos, as evidências estão sendo construídas. O NHS [SUS do Reino Unido] restringiu a vacinação nos adolescentes sem comorbidades. Aqueles que já tinham sido imunizados com 1ª dose se recomendou parar por ali”, disse Queiroga.

A secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19, Rosana Leite, mencionou também orientação da Organização Mundial de Saúde sobre o assunto.

“A OMS não recomenda, mas sugere que pode se pensar [na vacinação de adolescentes] a partir do momento que tenha vacinado toda a população, principalmente as mais vulneráveis, com duas doses”, disse.

Perguntados se a suspensão da vacinação teria relação com a falta de vacinas, os representantes do ministério descartaram essa hipótese e afirmaram que não há problema de abastecimento de doses no país. “Não falta vacina. Será que elas foram utilizadas de forma inadvertida? Provavelmente”, sugeriu a secretária Rosana Leite.  

Diante da suspensão, os adolescentes sem comorbidades que receberam a primeira dose não devem ter a aplicação da segunda dose. A orientação de interromper a imunização vale também para aqueles com comorbidades que tomaram a primeira dose da AstraZeneca ou Coronavac.

Apenas os adolescentes com comorbidades imunizados com a Pfizer/BioNTech na primeira dose podem seguir com o processo de imunização e completar o ciclo vacinal, procurando os postos para receber a segunda dose.

Gostou? Compartilhe