OPINIÃO

fatos 12 e 13/01/2013

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Vergonha

No vizinho município de Marau, os motoristas param antes da faixa de segurança para que o pedestre atravesse a rua. O passo-fundense que for a primeira vez para Marau vai estranhar este gesto que deveria ser uma prática em qualquer lugar do Planeta. Mas não é, especialmente em Passo Fundo. Levantamento minucioso feito pela jornalista Daniela Wietholter (páginas 4 e 5) revelam que o volume de multas por desrespeitar a faixa de segurança no município representa 80% de todas as infrações desta natureza no Estado. Uma vergonha para a cidade que tem o título de Capital Nacional da Literatura.

Casos

Muitos dos casos registrados pelas lombadas eletrônicas são de motoristas de fora da cidade, o que não justifica o ato. Outro dado que chama a atenção é que uma boa parte dos motoristas multados por alta velocidade, por exemplo, comete a infração de madrugada, por acreditar que os semáforos piscantes não multam. Multam sim.

Pedestre

Mas, o motorista não é o único culpado. Os pedestres também tem sua parcela de culpa neste processo. Não atravessam na faixa de segurança, arriscam-se em cruzamentos perigosos, costumam cruzar a rua na diagonal, virados de costas para os carros e as vezes até fazem o olhar do tipo: passa por cima. Falta educação geral no trânsito. Que as estatísticas contribuam para uma mudança de comportamento.

Obrigatório

Está publicado na edição deste final de semana de ON o edital com a lei de autoria do vereador Aristeu Dalla Lana, PTB, que torna obrigatória demarcação de espaço exclusivo para cadeirantes em eventos no município de Passo Fundo. A lei é meritória, mas não precisaria existir se as pessoas exercessem a cidadania como se deve.

Frentes

Dezenove frentes parlamentares foram criadas ou retomadas na Assembleia Legislativa em 2012. As frentes parlamentares são associações livres que permitem aos deputados dedicarem-se ao acompanhamento de temas atuais de interesse do Estado ou da sociedade gaúcha. As frentes não pertencem à estrutura formal do Parlamento - não são previstas no Regimento Interno da Casa - e assim não têm tempo de duração determinado, nem possuem estrutura funcional própria.

 

 

Gostou? Compartilhe