Recuperando um patrimônio público

Com um funcionário apto a responder pelo local e alguns vigias para coibir a ação de infratores, os furtos e as invasões deixam, aos poucos, de acontecer no Cesa, em Passo Fundo

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O cenário de descaso encontrado há aproximadamente 20 dias na Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa), localizada na Avenida Brasil, Petrópolis, está mudando. Os portões que antes se encontravam fechados, hoje estão abertos. A passagem é livre e os materiais não são mais retirados. Ao menos não sem autorização.

Um funcionário foi contratado há aproximadamente 60 dias para responder pelo local, tanto a respeito da segurança, quanto técnica e demais manutenções. Há quase duas semanas, vigilantes circulam pela propriedade com mais de 24 mil metros quadrados, coibindo a ação de vândalos, que antes depredavam o patrimônio público e dos ladrões, que levavam, ainda durante o dia, os materiais que restavam no local.

Os furtos ao patrimônio já haviam se tornado comuns, tanto que os próprios saqueadores guardavam os objetos que utilizavam para subtrair os materiais do Cesa, ali mesmo, na propriedade. Aos poucos, seguindo orientações do contratante, os vigias foram localizando ao meio do terreno marretas e pás.

Outro problema constatado no local, é a ocupação por usuários de drogas, que, encontram dentro dos túneis – por onde passavam os grãos –, um refúgio para usar os entorpecentes.

Segundo relatos, as invasões diminuíram, mas não cessaram, isso porque não existe iluminação, já que os cabos – que eram subterrâneos –, também foram arrancados. Em contato com a sede do Cesa, diretor e o presidente não foram encontrados, porém, confirmaram que as providências estão sendo tomadas.

Marcas foram deixadas
No local ainda é visível as marcas do descaso. Janelas inteiras foram retiradas, buracos foram abertos nas paredes e as máquinas estão destruídas. Segundo informações, há aproximadamente uma semana, enquanto o vigia fazia a ronda no outro lado do silo, um homem entrou na propriedade e, ali perto do funcionário responsável, começou a retirar uma das poucas janelas que sobraram. Ao ouvir as marteladas, o responsável acionou a polícia. O local ainda aguarda perícia.

Valorização do patrimônio
A intenção dos responsáveis agora é fazer com que o local deixe de ser um refúgio de ladrões que praticam delitos pelas redondezas ou de usuários, que encontram no vasto espaço cantos para usar suas drogas, para se tornar um ambiente com iluminação e segurança. De acordo com informações, em uma semana as instalações de luz devem estar concluídas. Perto à sala que funcionava a secretaria, uma instalação foi improvisada, de forma que os vigias tenham iluminação para trabalhar a noite.

Gostou? Compartilhe