OPINIÃO

Filhos de adolescentes

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Embora a questão da maternidade precoce seja universal e atinja indistintamente camadas sociais diversas, a pobreza faz-se presente na maioria dos casos. Fala-se aqui nas proporções de concepção que envolve adolescente ou jovem. No Brasil 20,8% da maternidade envolvem meninas/adolescentes, em circunstâncias de dificuldade. E normalmente sem acompanhamento paterno. Metade dos casos refere-se à gravidez na faixa da infância adolescência (10 a 14 anos) e outra metade dos 14 aos 19 anos. Mesmo com atendimento de saúde (SUS), é freqüente surgimento de problemas obstétricos, e emocionais ou psicológicos para a mãe e a criança. Entre os casos mais complicados, além das conseqüências psicológicas, principalmente para a criança, os observadores apontam a demora no acompanhamento pré-natal, infecções, amamentação precária ou o estado puerperal. Os riscos concorrem fortemente com a generosidade dos desígnios da natureza. O pré-natal e amamentação do recém nascido são fundamentais. O problema é que a gravidez ocorre principalmente entre meninas mais pobres e com baixa escolaridade. A vida enrijece tanto para a mãe que suspende a escola como para o filho, nestes casos, mais propenso a reproduzir carências. Embora a natureza seja milagrosamente generosa, em alguns países a gravidez na adolescência é considerada problema de saúde pública. Pouco se fala em políticas públicas para esses casos de maternidade precoce, já que a mãe e filho não votam. Mas é um problema severo que afeta a cidadania. E mais, a criança não tem culpa.


A crise de liderança
É depressivo para a democracia a constatação de que 14 dos 25 presidentes dos partidos políticos brasileiros estão na lista de suspeita, ou denunciados, por corrupção. A ordem de prisão de Antônio Carlos Rodrigues, PR, escancara o quadro ético comprometedor de lideranças políticas. A ação policial Compromete Romero Jucá, do PMDB, Gleisi Hoffmann - PT, Aécio Neves – PSDB, Agripino Maia – DEM, Ciro Nogueira – PP, Roberto Jefferson – PTB, Carlos Lupi – PDT, que são os mais expressivos líderes nacionais. Partido é instituição; merece proteção e não pode suportar condutas desonestas. As salutares diferenças de opinião política infelizmente são destruídas pela voracidade dos ensandecidos. A decomposição de liderança partidária custa muito caro, não só para os cofres públicos, mas para a justa esperança do povo.

Parlamentares
A perversa realidade do envolvimento de uma centena de parlamentares em escândalos de corrupção expõe a dificuldade de alcançarmos a punição. A ação mais, ou menos efetiva, do Judiciário não depende apenas da investigação policial. Trata-se de um poder que também recebe as pressões de líderes poderosos. A imprensa e o Ministério Público também agem neste contexto, mas não podem parar. No Congresso são permanentes as manifestações para dificultar a apuração ou punição. E nada mais nos surpreende no desespero dos que usam a representação democrática para se livrar dos processos. Um desses instrumentos é a utilização do foro privilegiado, a cada momento assaltado pela relação incestuosa do uso do mandato para defender o crime. Como disse Jose Hernandes : “la ley es como el cuchillo:/ no ofiende a quien lo maneja”. Legisladores e detentores do poder usam essa arma (a faca) contra os interesses do povo, mas não querem machucar-se. Por isso é muito estranho a democracia sem povo.

Ricordi D’Itália
A história cultural e artística da música italiana do Coral Ricordi D’Itália é memória da influência de colonizadores que viveram em nossa região. O coral fará, nesta sexta-feira, a apresentação musical de um grupo amador com grande dedicação. O espetáculo inclui repertório variado, que aborda a luta, valores, e alegrias de uma geração incluída na vida do país e da região. O Recital Ricordi D’Itália, em sua terceira edição, será no palco do SESC, às 2h30min. Ingressos ainda podem ser adquiridos junto à secretaria da Catedral Metropolitana, ou mediante contatos com a presidente Glaci Bortolini, fones: 9 9931-1076 e 9 9912-1585.

Gostou? Compartilhe