Município vai receber R$97 mil para combate de focos do mosquito da dengue

O Estado disponibilizou uma verba de mais R$4,5 milhões para 320 municípios

Por
· 2 min de leitura
?? preciso deixar os vasos sem água parada para combater o mosquito?? preciso deixar os vasos sem água parada para combater o mosquito
?? preciso deixar os vasos sem água parada para combater o mosquito
Você prefere ouvir essa matéria?

A secretária da Saúde do Estado, Arita Bergmann, anunciou a ampliação para 320 o número de municípios que receberão recursos para reforçar a vigilância da dengue. São mais 88 contemplados com R$ 2 milhões que, somados aos R$ 2,4 milhões liberados na semana passada, chegam ao total de R$ 4,5 milhões em recursos para o combate à dengue, zika e chikungunya. Destes, Passo Fundo irá receber R$97,4 mil, já que foi considerado um município infestado após a realização de quatro índices em 2018. Neste período, foram 28 notificações de dengue na cidade, sendo confirmado um caso importado de Goiás.

 

De acordo com a chefe do Núcleo de Vigilância Ambientalem Saúde (NVS), Ivania Silvestrin, existem focos em toda a cidade, mas os bairros que preocupam e apresentaram maiores índices no ano passado foram a Santa Maria, São Luiz Gonzaga e Vila Luíza. Com os dias de calor e a intensa chuva ocorrida nas duas primeiras semanas de janeiro, os ovos do mosquito depositados podem ter eclodido. “Já estamos fazendo um levantamento e dá para se dizer que teve um aumento considerável nas amostras de larvas do mosquito, em comparação com os índices de outubro. A população mesmo relata que já percebeu uma quantidade de mosquitos maior”, disse.


Há ainda resistência da comunidade em eliminar água parada e auxiliar os agentes de combate a endemias. Outra dificuldade encontrada é no acesso de imóveis fechados, como casas e terrenos que estão para venda/aluguel. A orientação para os proprietários é de que seja realizada a manutenção dos quintais periodicamente, justamente para eliminar o lixo, entulho e a água parada. Passo Fundo possui uma lei municipal, de 2015, que estabelece normas de prevenção das larvas do mosquito, com possível notificação e multa. “No ano passado, aplicamos 19 notificações de irregularidade, onde os moradores tinham potenciais criadouros. Também foram aplicadas quatro autos de infração”, ressalta Ivania.

 

Estado
Atualmente, 320 municípios estão infestados pelo mosquito no Rio Grande do Sul. "Além dos 232 municípios que já receberam recursos para reforçar a vigilância ambiental, incluímos agora mais 88 que não constavam na lista inicial, a partir de orientação do governador Eduardo Leite", ressaltou a secretária do Estado. Entre os municípios agora contemplados se encontram, além de Panambi, Porto Alegre, Caxias do Sul e Canela. Cada município receberá R$ 0,49 por habitante.De acordo com a secretária adjunta da Saúde, Aglaé Regina da Silva, essa nova listagem inclui municípios onde também existe a necessidade de cooperação técnica e financeira do Estado por apresentarem infestação do Aedes.


Ajuda da população
A Vigilância lembra ainda os principais cuidados que devem ser tomados pelas pessoas, para erradicar os focos do mosquito. Não manter água parada em potes, tonéis, baldes e manter as caixas de água bem vedadas. “A gente encontra um problema sério com pessoas que acumulam água da chuva para lavar calçada e dar água para as plantas. Elas podem acumular água da chuva sem problemas, desde que esses reservatórios estejam protegidos com tela bem fina e uma tampa que impeça a entrada do mosquito para depositar os ovos. Esse água condicionada de forma correta, a gente fica tranquila”, reforça a chefe do NVS.

Gostou? Compartilhe