OPINIÃO

Fatos 20.03.2019

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Garantias dadas
Os 64 Km da BR 153 (Transbrasiliana) que aguardam asfalto há mais de 50 anos, ainda precisam passar por etapas que conjugam manutenção da mobilização regional, dinheiro no orçamento, projeto, mais dinheiro no orçamento (muiiittto dinheiro) e finalmente a obra. Só o custo do projeto é R$ 5 milhões e outros R$ 200 milhões para a execução. Um engenheiro experiente em obras de grande porte, assegura que com R$ 500 mil dá para fazer o projeto. Como estamos falando de serviço público, a cifra costuma ser estratosférica. O que conta agora, no entanto, é a perspectiva de que o asfalto finalmente seja feito. Isso porque uma mobilização iniciada há dois anos dentro da UPF com participação dos Coredes da Produção (Passo Fundo) e Norte (Erechim) colhe frutos. E uma delas é a garantia de liberação de recursos, via PAC, para publicar o edital e fazer o projeto. Quem deu esta garantia foi o vice-presidente da República Hamilton Mourão, na Expodireto em conversa a reitora Bernadete Dalmolin, a presidente do Corede Produção Munira Awad e o ex-reitor José Carlos Carles de Souza, presidente do Comitê Pró-BR 153.

 

Histórico vergonhoso
A história do trecho gaúcho da Transbrasiliana é uma vergonha para o Brasil. Primeiro, porque ela já constou do mapa como asfaltada sem nunca ter sido. Segundo, o dinheiro para este asfalto parou em algum lugar que não foi o trecho. Terceiro, a mobilização pela conclusão da obra tem mais de 50 anos e somente agora ela dá alguns passos em direção a uma possível solução. E são apenas 68 quilômetros que farão uma enorme diferença para a economia dos municípios do entorno, além de reduzir o tempo de viagem e desafogar a ERS 135.


Realidade
Resultado da viagem do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos:
• O Brasil entrega a Base de Alcântara para que os americanos façam manobras com seus foguetes, sem nenhuma contrapartida;
• O Brasil permite a entrada de norte-americanos sem visto, sem ter o gesto em troca em se tratando dos brasileiros nos EUA;
• O presidente diz a Fox News que a “grande maioria dos imigrantes não tem boas intenções nem quer fazer o bem aos americanos”;
• 49% dos empresários acreditam que a visita de Bolsonaro aos EUA não terá resultados imediatos. Dado faz parte de pesquisa da Amcham Brasil, publicada ontem pela Revista Exame.
* O filho Eduardo Bolsonaro ocupa lugar de Chanceler no encontro entre Bolsonaro (pai) e Donald Trump.

 

Explicação

Bolsonaro foi questionado por jornalistas norte-americanos sobre o comentário que fez a respeito dos imigrantes brasileiros nos EUA e ele pediu desculpas porque foi “um equívoco, um ato falho cometido na entrevista de ontem”. Ele também negou que o Brasil esteja oferecendo muito aos Estados Unidos e recebendo pouco em troca. “Alguém tem que estender o braço primeiro e quem estendeu as mãos em primeiro lugar fomos nós”, disse.


Boa notícia
A violência contra mulher impede inscrição na OAB por falta de idoneidade moral. Súmula foi aprovada pelo Conselho Federal da Ordem na segunda-feira, 18.

 

Enquanto isso...
...as abelhas morrem. Mais de 500 milhões de abelhas mortas no Brasil, nos últimos três meses. Os agrotóxicos estão matando as abelhas e de quebra causando um gravíssimo problema ao Meio Ambiente.

 

Agenda em Brasília
O vereador Patric Cavalcanti, DEM, organizou agenda em diversos órgãos federais, em Brasília, na próxima semana para uma comitiva formada pela reitora da UPF Bernadete Dalmolin e o prefeito Luciano Azevedo. Na pauta, a liberação de R$ 1,9 milhão para o projeto de duplicação da BR 285, projeto da pavimentação da BR 153, (Transbrasiliana) e Jornada Nacional da Literatura. No dia 25, ele tem encontro com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorennzoni. Mas a agenda também inclui audiências com os Ministérios da Agricultura e da Saúde, bem como, reuniões com seis deputados federais e o Senador Luiz Carlos Heinze.

 

PSL
O advogado, ex-secretário da Segurança Pública de Passo Fundo Gilmar Teixeira Lopes deve ser o próximo presidente do PSL no município. O partido está sem comando porque expirou o prazo da comissão provisória e o presidente estadual, deputado Luciano Zucco reorganiza o partido no Estado.

Gostou? Compartilhe