OPINIÃO

Cresce a liberação de crédito imobiliário

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Passado o primeiro trimestre de um ano que começou carregado de boas expectativas para o setor imobiliário, encontramos sinais muito positivos para quem pretende financiar a compra de seu imóvel nos próximos meses. É o que demonstra o balanço da Caixa, apresentado a poucos dias pela Superintendência Regional em reunião com profissionais do segmento imobiliário de Passo Fundo.

 

Entre os pontos que mais chamam a atenção, está uma forte tendência de que a liberação de crédito imobiliário possa continuar crescendo no Brasil, quem sabe de forma até mais expressiva que nos dois últimos anos. Entre 2016 e 2018, mesmo diante de um país fragilizado economicamente, a Caixa conseguiu aumentar suas aplicações em 6%, fechando o último ano com uma grande margem de liderança em comparação ao desempenho de outros bancos. Na prática, de cada R$ 3 destinados ao financiamento de imóveis, R$ 2 foram aplicados somente pela Caixa.

 

O que mais surpreende, no entanto, é o balanço regional. Só em 2018, a liberação de crédito imobiliário no norte gaúcho aumentou 13,5%, se comparado ao período anterior. Muito acima dos 2,8% registrados a nível nacional e que expressa a boa, e já conhecida, autonomia econômica da nossa região. Se por um lado entraves políticos no Congresso Nacional fazem recuar as previsões de crescimento do PIB do Brasil para este ano, o Rio Grande do Sul comemora sua segunda maior safra. Dados da Emater/RS-Ascar revelam que a produção deverá somar 31,9 milhões de toneladas podendo gerar um valor bruto de mais de R$ 31 bilhões. Especialmente para a nossa região, que se destaca entre os maiores produtores de soja e milho do estado, esse é um fator extremamente importante para compensar as oscilações do próprio país, dando um ritmo mais acelerado e independente à economia local.

Bons resultados como esse, inevitavelmente, encorajam quem está disposto a investir na aquisição de bens duráveis e dão mais segurança para quem pretende assumir um financiamento, por exemplo. Para quem deseja há algum tempo adquirir seu próprio imóvel, os empréstimos que utilizam os recursos da poupança estão entre os mais procurados. Segundo a Caixa, o valor liberado pelo SBPE - Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, aqui na região, mais que duplicou somente nestes primeiros três meses. Enquanto a linha de crédito que utiliza o FGTS retraiu (-10%, mais em razão de questões orçamentárias do Governo Federal do que pela demanda, que continua alta), o SBPE cresceu 104,8%, se comparado ao primeiro trimestre de 2018. Número que reflete a intenção da Caixa em reforçar o crédito nas linhas de SBPE.

 

Para isso, ela trabalha desde o ano passado com nova alíquota para imóveis usados e oferece boa redução nas taxas de juros. De 50%, a quota de financiamento de imóveis usados pelo SBPE subiu para 80%, enquanto as taxas de juros tiveram redução de até 1,25%. Quanto à sustentabilidade das aplicações, diante de um período de grandes facilidades na liberação de crédito, a instituição reforça o crescimento da poupança nos últimos dois anos e o retorno dos valores emprestados como os principais responsáveis pela disponibilidade de funding suficiente para atender toda a demanda.


Além de toda essa disponibilidade financeira, pode-se somar aos pontos positivos uma média de 8,5% nas taxas de juros de financiamentos imobiliários. Todos sinais de que o mercado já começou 2019 aquecido, com boas projeções e oferecendo as melhores condições dos últimos tempos para quem deseja comprar um imóvel.

Gostou? Compartilhe