OPINIÃO

Fatos 10.05.2019

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Cortes atingem a pesquisa
O contingenciamento de recursos para investimento e custeio de institutos e universidades também chegou à Capes, atingindo alunos de pesquisa em mestrados e doutorados de todo o país. A conta é reduzir inicialmente R$ 150 milhões dos R$ 3,4 bi destinados para a atividade. Representantes do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós Graduação (Foprop) estiveram ontem em Brasília com a coordenação da Capes para protestar contra os cortes e pedir a retomada dos investimentos. No Brasil serão cortadas 4.798 bolsas consideradas ociosas. Na região Sul, serão extintas 899 bolsas, segundo informou à colunista a professora Caroline Calice da Silva, Diretora de Pós-graduação Stricto Sensu e Pesquisa da Imed. Por ora, as duas maiores instituições de Passo Fundo, UPF e Imed não sofreram impactos com esta medida porque as bolsas das respectivas já estavam alocadas. Para Caroline, o prejuízo com o corte de recursos para a pesquisa é imensurável ao país. O impacto imediato e a suspensão do trabalho de pesquisa em muitas áreas e, para o futuro, a desqualificação da mão-de-obra. O Foprop divulgou carta aberta “se opondo aos cortes de recursos e bolsas na área de educação e nos órgãos de financiamento da ciência e tecnologia perpetrados pelo governo federal e por governos estaduais, aos quais colocam em risco a continuidade de formação de recursos humanos qualificados e o desenvolvimento de pesquisas que poderiam alavancar o crescimento do país”.


Moção
Sobre o corte de verbas para as federais, em Passo Fundo, o vereador Alex Neckel, PCdoB, prepara uma moção de repúdio aos cortes orçamentários.

 

Vendas
Comércio de Passo Fundo faz uma projeção mais modesta em relação às vendas para o dia das mães. É a segunda data mais importante para o setor. No entanto, estima vender 5% a mais, metade da projeção feita no ano passado no município, mas bem mais otimista do que a perspectiva para o Estado que está em 2%.

 

Luciano
O prefeito Luciano Azevedo é o nome mais cogitado para assumir a presidência do PSB no Estado. Objetivo é unificar o partido com foco nas eleições de 2020. Luciano já passou por esta experiência quando comandou o PPS, além de ser um articulador de primeira linha. Os socialistas acertam se a intenção for confirmada. Lembrando que o prefeito, logo depois das eleições do ano passado, se licenciou do partido, mas se mantém filiado.

 

Três no comando
Se Luciano aceitar conduzir o PSB estadual, serão três passo-fundenses no comando de siglas partidárias importantes no Estado. Juliano Roso preside o PCdoB e o deputado Mateus Wesp foi eleito presidente do PSDB.

 

Indulto
Por 6 votos a 4, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) validaram o decreto de indulto natalino editado pelo ex-presidente Michel Temer em 2017. Com a decisão, condenados que se enquadram nas regras poderão solicitar o benefício na Justiça, incluindo condenados na Operação Lava Jato.

 

Esgoto
Por falar em presídio, o vazamento de esgoto do presídio regional de Passo Fundo é um problema antigo que só atrapalha a vida de quem mora perto. O vazamento em questão está na rua Adrianópolis. O cheiro é insuportável, atestam os moradores.

Gostou? Compartilhe