Mais uma escola suspende aulas por problemas na rede elétrica

Escola Mário Quintana é o terceiro educandário a enfrentar problemas estruturais em menos de dois meses

Por
· 2 min de leitura
Cerca de 560 estudantes estão impossibilitados de voltar à rotina escolar. A previsão é de que até quarta-feira (5) as aulas sejam retomadasCerca de 560 estudantes estão impossibilitados de voltar à rotina escolar. A previsão é de que até quarta-feira (5) as aulas sejam retomadas
Cerca de 560 estudantes estão impossibilitados de voltar à rotina escolar. A previsão é de que até quarta-feira (5) as aulas sejam retomadas
Você prefere ouvir essa matéria?

Após a Escola Estadual de Ensino Médio Lucille Fragoso de Albuquerque suspender, as aulas por apresentar problemas na fiação elétrica, no início do mês de maio, e de a Escola Estadual de Ensino Médio Maria Dolores Freitas Barros inviabilizar o estudo dos alunos em duas salas depois que um pinheiro despencou no telhado do educandário, ainda em março, agora foi a vez da Escola Estadual de Ensino Médio Mário Quintana. A direção precisou interromper o ano letivo, na quarta-feira (29) à noite, com a acentuação das falhas no sistema elétrico do colégio. Em menos de dois meses, é a terceira escola estadual, em Passo Fundo, a suspender, temporariamente, as aulas devido ao comprometimento estrutural.

 

O risco para a comunidade escolar agravou-se, segundo a vice-diretora do turno noturno da Escola Mário Quintana, Jucenara Oliveira Garcia, na quarta-feira quando uma professora foi vítima de um choque elétrico, na porta de uma das salas de aula. “Já faz de três a quatro anos que um transformador, na parte interna da escola, pegou fogo. A RGE isolou a área com algumas madeiras, mas, agora, em alguns locais identificamos curtos-circuitos. Isso há uns 3 meses atrás. Não era de uma meneira acentuada, porém, em uma semana e com as chuvas começou a intensificar. Ficava aquele cheiro forte, saía faísca”, relata.


Dos utensílios domésticos que queimaram na cozinha da escola à inutilização de equipamentos tecnológicos, como computadores, para não sobrecarregar a estrutura elétrica, os problemas foram notificados à 7ª Coordenadoria Regional de Educação (7ª CRE).
De acordo com Jucenara, ainda na sexta-feira (31) pela manhã, o educandário recebeu uma vistoria técnica de engenheiros elétricos vinculados à 7ª Coordenadoria Regional de Obras Públicas (7ª CROP). Um outro laudo, emitido na manhã desta segunda-feira (03) por engenheiros contratados pela escola via licitação pública, apontou que a estrutura elétrica necessita de “obras emergenciais em sua totalidade” de instalação. “Se encontram cabos com a isolação danificada, emendas críticas e fiação instalada fora de estrutura da proteção mecânica”, diz o parecer.


Há 36 anos em funcionamento e recebendo, diariamente, cerca de 560 estudantes nos três turnos letivos, a Escola Estadual de Ensino Médio Mário Quintana aguarda a liberação de recursos financeiros estaduais para realizar as obras de reparo. “A gente entende que a comunidade está bastante angustiada pelo retorno das aulas, mas a gente tem que passar segurança para os alunos e estava bastante complicado”, evidencia a vice-diretora do turno da noite, Jucenara Oliveira Garcia.

 

Risco de interdição
Sob medidas emergenciais paliativas, como o corte da circulação elétrica em cabos de alguns setores escolares e aterramento de outros fios, o laudo determina também o isolamento de todas as tomadas ligadas à rede comprometida, orientando alunos e professores a “não usar e evitar apoiar-se nas estruturas de instalação elétrica”. Conforme o documento, caso haja um novo episódio de problemas na rede elétrica, a escola deverá ser interditada por completo.


Com restrições, no entanto, a escola está liberada para retomar o funcionamento. A vice-diretora acredita que até quarta-feira (05) os estudantes já estejam de volta à rotina escolar.

Gostou? Compartilhe