Estudo vai investigar se decomposição dos corpos em cemitérios polui lençol freático

Com duração de 36 meses, o estudo conduzido em Passo Fundo é pioneiro no país e servirá de base para a elaboração de políticas públicas e outras observações envolvendo o tema

Por
· 2 min de leitura
Sob a orientação do pesquisador Alcindo Neckel, um grupo composto por 10 estudantes está coletando materiais em seis cemitérios públicos do município. Primeiros resultados serão divulgados no início de 2020Sob a orientação do pesquisador Alcindo Neckel, um grupo composto por 10 estudantes está coletando materiais em seis cemitérios públicos do município. Primeiros resultados serão divulgados no início de 2020
Sob a orientação do pesquisador Alcindo Neckel, um grupo composto por 10 estudantes está coletando materiais em seis cemitérios públicos do município. Primeiros resultados serão divulgados no início de 2020
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma pesquisa conduzida pela IMED, campus de Passo Fundo, irá verificar se o solo passo-fundense está sendo contaminado pela decomposição dos corpos enterrados nos seis cemitérios públicos do município. O estudo que iniciou em março, tem duração de 36 meses e é financiado pelo governo federal através do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e conta com o apoio da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). 

 

Pioneira no país - apenas a Universidade de São Paulo (USP) desenvolve estudo semelhante -, a investigação é coordenada pelo professor e pesquisador do mestrado em arquitetura e urbanismo da IMED, Alcindo Neckel. Em entrevista ao ON, ele explicou como os trabalhos estão sendo conduzidos:


"Dentro de cada cemitério, estamos coletando material em cinco pontos diferentes. A primeira coleta é feita na região central do cemitério e as demais ocorrem nos quatro cantos; fora do cemitério, as coletas ocorrem num raio de 500 metros" expõe.
Em cada ponto de coleta, os oito alunos da graduação envolvidos na pesquisa, mais um mestrando e um pós-doutorando, sob a orientação de Alcindo, retiram 20 centímetros de terra e armazenam dentro de um saco plástico. Em seguida, são escavados mais 40 centímetros e o material igualmente é embalado. Na sequência, o conteúdo é levado para análise na IMED.


O primeiro cemitério foco da análise foi o Cemitério Municipal da Vera Cruz. Em seguida, será a vez do cemitério do bairro Petrópolis, Jardim da Colina, Roselândia, Videiros e Cemitério Municipal dos Ribeiros.


- Todo cadáver, a cada 70 quilos, libera cerca de 30 litros de líquido durante a sua decomposição. Esse líquido, também chamado de necrochorume, desce para o solo e, com a ajuda da água da chuva, pode chegar até os lençóis freáticos, que funcionam como um reservatório natural da água, que por sua vez, forma rios e lagos e, consequentemente, é usada para abastecer a população - explica o professor, que prossegue:


- O problema é que o necrochorume contem metais pesados e altamente perigosos para a saúde humana. Trata-se de substâncias que podem causar desde dor de cabeça e diarreia até diversos tipos de cânceres, problemas neurológicos e o Mal de Alzheimer. É isso que iremos atestar, ou não, com os resultados que vamos obter a partir da análise dos materiais que estamos coletando - complementa Alcino, que começou a se envolver com a problemática há dez anos, quando orientou um Trabalho de Conclusão de Curso sobre o tema.


Nesse contexto, os primeiros apontamentos da pesquisa devem ser divulgados no início de 2020. Se for confirmada a suspeita de Alcino e seu grupo de estudo, a ideia é fazer com que o poder público possa articular estratégias de despoluição do meio ambiente através da criação de políticas públicas específicas. O estudo terá repercussão nacional e deve servir de base para novas observações.


Licenciamento ambiental nos cemitérios
No Brasil, até dezembro de 2010, conforme explica o professor Alcino, o Conselho Nacional do Meio Ambiente, exigia licenciamento ambiental dos cemitérios. A determinação, no entanto, não teve nenhum efeito prático. O que valida ainda mais o estudo conduzido em Passo Fundo.


- É uma discussão nova no Brasil. E o mais importante é pensar de que maneira iremos lidar com essa questão daqui pra frente. Os cemitérios verticais, que já estão sendo construídos no país, são uma opção viável, porque eles armazenam todo o necrochorume e os gases liberados pelos cadáveres, permitindo que eles sejam dispensados em locais adequados. Por ora, estamos contentes com o interesse do governo federal em promover uma pesquisa sobre este tema - encerra o pesquisador.

Gostou? Compartilhe