Dançarinas do Crejuti representaram Passo Fundo no México

Por
· 2 min de leitura
O grupo realiza apresentações em festivais com frequênciaO grupo realiza apresentações em festivais com frequência
O grupo realiza apresentações em festivais com frequência
Você prefere ouvir essa matéria?

O grupo Crejuti Bem Viver representou o Brasil em um festival de danças folclóricas no México. O grupo se apresentou no Encuentro Nacional Grupos de Danza Folklórica Maestros Jubilados, voltado para dançarinos da terceira idade, realizado anualmente na cidade mexicana de Rio Verde.


A viagem foi realizada no início do mês, mas os preparativos iniciaram ainda em março, segundo o professor e coreógrafo do grupo, Gustavo Maias. "A gente estava com uma grande expectativa para saber como seríamos recebidos no evento, qual seria a reação das alunas lá, porque é a primeira vez que participamos de um evento internacional", conta. "Passamos ao dia todo passeando, fizemos apresentações todos os dias, mas foi tudo muito lindo". Além de se apresentar no festival, o grupo também passeou pela cidade de Rio Verde. Um dos passeios mais marcantes foi pela lagoa de Media Luna, nos arredores da cidade. As integrantes do CREJUTI também fizeram trilhas e conheceram a natureza local.


Ainda de acordo com o professor, as dançarinas do grupo foram frequentemente tietadas no festival, recebendo até pedidos para tirar fotos com o público do evento. Além do CREJUTI Bem Viver, se apresentaram no festival 16 estados do México, mais três países da América Latina, dentre eles o Brasil, representado pelo grupo, Costa Rica e Equador.


O grupo de Passo Fundo se apresentou durante cinco dias, realizando uma apresentação por dia. O destaque ficou por conta do samba, presente em todas as apresentações. "Dançamos samba, e eles queriam que a gente dançasse mais, se fosse possível", conta a dançarina Noemi Maias da Silva. Terezinha Nair Anziliero recorda animada sobre a recepção do público que recebeu calorosamente o grupo passo-fundense. "Eles adoravam, não sei se era o brilho, ou o que era, mas eles achavam aquilo maravilhoso". Terezinha complementa a amiga de dança. "Eu como jamais imaginei subir em um palco, e estar dançando no México, foi assim, a realização. Me senti a própria!", conta.


"Dá um friozinho na barriga, quando a gente subia no palco, dá um branco, porque não somos mais criança. Então tinha aquele medo de errar a dança. Mas foi. Erramos um passo ou outro, mas o pessoal aplaudia e gritavam 'Brasil!' 'Brasil!", conta Noemi. De acordo com Gustavo, o samba representa o Brasil, então o número chamou bastante a atenção do público mexicano. O grupo ainda foi homenageado com um jantar.


Mas o que marcou mesmo as dançarinas, foi a viagem de avião, como lembra Noemi e Terezinha. "Eu achei que não iria gostar, eu não queria nem entrar no avião. A primeira vez eu pensei que quando eu chegasse na porta do avião eu não ia entrar, mas quando vi já estava dentro", conta Terezinha.


Para Gustavo, o festival no México serve como uma coroação. "Tem mais de 15 anos que participamos de festivais e concursos, e isso vem pra coroar nosso trabalho, que seja o primeiro de muitos".


O Crejuti recebeu convites para outros festivais, incluindo a próxima edição do Encuentro Nacional Grupos de Danza Folklórica Maestros Jubilados, mas segundo Gustavo, o grupo pretende alcançar novos ares.

 

Gostou? Compartilhe